show episodes
 
Loading …
show series
 
Este podcast é patrocinado mensalmente pelos seus ouvintes. Quer também fazer parte da nossa comunidade no Patreon? Apoie em www.patreon.com/perguntarnaoofende A mais recente revolta racial nos Estados Unidos não foi apenas uma reação ao assassinato de Jacob Blake. Como não foi apenas por causa de George Floyd que explodiu a indignação. Todos…
 
Este podcast é patrocinado mensalmente pelos seus ouvintes. Quer também fazer parte da nossa comunidade no Patreon? Apoie em www.patreon.com/perguntarnaoofende Vieira da Silva foi um dos mais relevantes ministros do trabalho e da segurança social na democracia portuguesa. Nunca seria fácil substituí-lo e António Costa optou por um corte, não escolh…
 
“Essa senhora devia ter vergonha e desaparecer de vez”. Foi assim que José Maria Ricciardi se referiu à convidada de hoje. Não é certo como queria que Mariana Mortágua desaparecesse. É certo que a frase exibe, ainda por cima quando se refere a uma deputada, hábitos antigos na forma como uma determinada elite económica lida com as contrariedades da …
 
Nicolau Santos nasceu em Luanda em 1954, cidade angolana onde cresceu e fez o secundário todo. Veio para Portugal em 1975, e só regressaria ao país de origem em trabalho. Estudou economia. Foi jornalista no Jornal de Notícias, trabalhou para a ANOP (a antecessora do que se veio a tornar a Agência Lusa), foi director do Diário Económico e do Semanár…
 
A geringonça não começou com a tomada de posse do primeiro governo António Costa. Começou com a eleição de Ferro Rodrigues como presidente da Assembleia da República. Não dando esse lugar a um deputado do partido mais votado, mas a quem conseguisse construir uma maioria, destruíam-se décadas de tradição política, pondo o Parlamento e os acordos que…
 
António Zambujo nasceu em Beja, em 1975. Começou na música pelo clarinete, ainda criança, quando ingressou no conservatório por sugestão de uns vizinhos da casa da avó, figura importante na formação pessoal e musical do nosso convidado. Do clarinete à guitarra foi um salto, marcado também pela descoberta da música brasileira através dos discos de J…
 
Se esta pandemia se prolongar irá mudar o turismo como o conhecemos hoje. A decisão do Reino Unido impor uma quarentena a quem venha de Portugal foi a que provocou um abalo maior no sector, pelo impacto imediato que tem no Algarve. E não vale a pena esperar alguma justiça, quando países com péssimos números limitam a entrada de quem os tem melhores…
 
Durante o período de confinamento, os portugueses convenceram-se do milagre nacional. O autocontentamento foi tanto que parece ter-se esquecido o principal objetivo: achatar a curva. Ou seja, garantir que a pandemia não se descontrolava, para que o SNS conseguisse responder e ninguém morresse por falta de tratamento. E, de caminho, ganhar tempo par…
 
Alice Vieira nasceu em 1943, em Lisboa. Estudou filologia germânica na Faculdade de Letras, mas cedo soube que o futuro seria no jornalismo. Enviou o prometo texto para o Diário de Lisboa aos 14 anos, episódio que encerra uma história pessoal. Acabaria por entrar no jornal uns anos mais tarde. Conta com mais de oito dezenas de títulos publicaria. É…
 
Há estátuas que não deviam mesmo estar de pé. Dizê-lo não é defender que se apague a história. Nenhum alemão decente aceitaria que uma única estátua de Hitler continuasse numa praça, nenhum democrata russo aceitaria que as estátuas de Estaline ainda dominassem as cidades do país. Derrubar estátuas é o mesmo que as erguer: marcar uma posição em rela…
 
Martim Sousa Tavares nasceu em Lisboa, em 1991. Começou a estudar piano aos 8 anos mas a música não foi a primeira opção quando chegou a altura de entrar na universidade. Começou pelo curso de Ciências da Comunicação, experiência que durou pouco mais de um mês, quando decidiu mudar para Ciências Musicais na mesma Universidade Nova de Lisboa. Licenc…
 
Como podemos desglobalizar um pouco a nossa economia? Pegando num exemplo do livro do convidado desta semana, como garantir que em vez de fazermos partes de sapatos ou montarmos bicicletas, fazemos os sapatos inteiros e construímos as bicicletas? Ou como podemos trocar a obsessão pelas exportações por um empenho em substituir importações por produç…
 
Os apoios anunciados pela Comissão Europeia não são a fisga que se temia. E os critérios de distribuição parecem não ser maus para Portugal. Dinheiro novo e a fundo perdido, serão 15,5 mil milhões de euros. Graças à bomba relógio italiana, não será cada um por si. Mas é bom reduzir a excitação. Não vem aí um Plano Marshall. O dinheiro para socorrer…
 
Pedro Santos Guerreiro, 46 anos, nasceu em Lisboa mas mudou-se para Viseu aos 3 meses, cidade onde viveu até aos 18 anos, e onde experimentou o jornalismo a primeira vez, à boleia das rádios piratas. Tinha 13 anos quando começou na Rádio Escala. Licenciou-se em Gestão e fez um MBA na Universidade Nova. Foi fundador do Jornal de Negócios aos 24 anos…
 
A crise da comunicação social é global. Ainda não se conseguiu descobrir uma forma de rentabilizar o jornalismo na era digital. Sobretudo em mercados pequenos. E muito menos quando plataformas como a Google e o Facebook ficam com 70% das receitas de publicidade digital às cavalitas de conteúdos de terceiros. Perante a crise, há um debate que não é …
 
Comparar os efeitos da pneumónica com os da COVID-19 é um exercício quase impossível. Na época, Portugal tinha um médico por 2338 habitantes, hoje tem um médico por 189 habitantes. Sendo que quase um quarto dos médicos estava na frente de guerra. A assistência de saúde era caritativa para os pobres e comercial para o resto da população. As condiçõe…
 
Teresa Conceição nasceu em Vila Real de Santo António, mas foi em Tavira que viveu a infância até partir para Lisboa, aos 17 anos. Ao mesmo tempo que frequentava o curso de Línguas e Literaturas Modernas da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade de Lisboa, fez 14 cadeiras do curso de Comunicação Social, mas o que originalmente queria…
 
A crise é global. Não há para onde fugir, não há para onde exportar. Isto leva alguns a pensar que estamos todos no mesmo barco e assistiremos, como não assistimos em 2009, a uma partilha de riscos na Europa. Mas, ainda não tínhamos chegado ao pico da pandemia na Europa, e a Holanda já perguntava onde tinham os espanhóis gastado o seu dinheiro para…
 
Loading …

Guia rápido de referências

Google login Twitter login Classic login