AC.aráCAST EP11 - Dependência química

52:22
 
Compartilhar
 

Fetch error

Hmmm there seems to be a problem fetching this series right now. Last successful fetch was on August 24, 2020 23:15 (5M ago)

What now? This series will be checked again in the next day. If you believe it should be working, please verify the publisher's feed link below is valid and includes actual episode links. You can contact support to request the feed be immediately fetched.

Manage episode 212196603 series 1267408
Por AC.aráCAST's Podcast descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
itunes pic
Dependência química Qual a diferença entre “drogas” e “substâncias psicoativas”? Que processos comportamentais nos ajudam a entender a tão falada dependência “psicológica”? Será que alguém fica dependente somente pelo efeito da substância consumida? Neste episódio 011 do AC.aráCAST (lê-se “acêarákést”), os behavioristas Yan Valderlon, Umbelino Neto e Odilon Duarte entrevistaram uma especialista no assunto, a Profa. Dra. Denise Vilas Boas, com um papo bastante informativo para você que quer saber como lidamos com essas questões pela perspectiva crítica da Análise do Comportamento. Descubra quem dessa equipe é viciado no quê e o que significa lá na Rússia a expressão “Fulano(a) encheu o rabo de cana...”. Arte e design de Damom Ribeiro e Flávia Holanda. Trilha sonora e mixagem: Catito AC.aráCAST (um viciado em queijo coalho!) Para saber mais sobre o “Núcleo Tríplice” e seus cursos de formação em AC, acesse: https://www.facebook.com/nucleotripliceac?fref=ts Referências que foram recomendadas no episódio: http://www.supera.senad.gov.br/ -- um curso gratuito e online que falha nas considerações sobre a AC, mas é interessante para aprender sobre as substâncias e seus efeitos, e sobre as questões de Legislação envolvidas. BENVENUTI, M. F. Condicionamento respondente: algumas implicações para o desenvolvimento de tolerância, síndrome de abstinência e overdose. In: de Abreu, C. N.; Guilhardi, H. J.. (Org.). Terapia Comportamental e Cognitivo-Comportamental: Práticas Clinicas. 1 ed. São Paulo: Roca, 2004, v. , p. 186-193. BENVENUTI, M. F. Uso de drogas, recaída e o papel do condicionamento respondente: possibilidades do trabalho do psicólogo em ambiente natural. In: ZAMIGNANI, Denis; KOVAC, Roberta; VERMES, Joana Singer. (Org.). A clínica de portas abertas: experiências e fundamentação do acompanhamento terapêutico e da prática clínica em ambiente extraconsultório. São Paulo: Paradigma, 2007. p. 307-325. BANACO, Roberto Alves. Terapia Comportamental (cap. 9). In: ZANELATTO, N. A.; LARANJEIRA, R. (orgs.). O tratamento da dependência química e as terapias cognitivo-comportamentais: um guia para terapeutas. Porto Alegre: Artmed, 2013. MIGUEL, André de Queiroz Constantino. Manejo de contingência (cap. 28). In: DIEHL, Alessandra et al. Dependência Química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre: Artmed, 2011. Procure também nos volumes 3, 7 e 8 da coleção Sobre Comportamento e Cognição.

80 episódios