Artes - Vera Duarte vai lançar a sua mais recente obra "A Vénus Crioula" em Lisboa

23:43
 
Compartilhar
 

Manage episode 301207052 series 1379214
Por France Médias Monde and RFI Português descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Esta semana, focamos o nosso olhar sobre a "A Vénus Crioula", o novo romance da autora cabo-verdiana Vera Duarte. Escritora, poetisa, jurista e antiga Ministra da Educação no seu país, Vera Duarte prepara-se para lançar esta nova obra, no próximo dia 10 de Setembro na 91ª edição da feira do livro de Lisboa, estes últimos tempos tendo sido particularmente ricos para a autora, distinguida este ano com o prémio literário Guerra Junqueiro que vai receber no dia 2 de Outubro na cidade da Praia. 2021 está igualmente a ser muito activo em termos de edição para a escritora. Há um pouco mais de um mês, publicou um livro de microcontos intitulado "Desassossegos e acalantos" e, no começo do ano, lançou "Contos Crepusculares - Metamorfoses", ambos frutos dos meses de confinamento resultantes da crise provocada pela pandemia. No seu mais recente livro, "A Vénus Crioula", publicado pela editora 'Rosa de Porcelana', Vera Duarte conta o destino de uma cantora de pés descalços que viaja pelo mundo fora. Ela tem a voz de Cesária Évora, de Sãozinha Fonseca e de tantas outras que inspiraram a autora que diz também ter carregado consigo durante anos a vontade de evocar a história trágico-marítima de Cabo Verde. "Quando era Ministra da Educação e do Ensino Superior, encontramo-nos uma vez, eu e o (então) Presidente Pedro Pires, em São Vicente no Centro Cultural do Mindelo, e em conversa ele disse-me 'há uma história tão grande por ser descoberta e estudada pelos investigadores cabo-verdianos que é a história trágico-marítima cabo-verdiana, porque não está praticamente nada feito'. Aquilo calou muito fundo quando ele fez essa observação e eu, que não sou nem historiadora nem socióloga, não posso ir por essa via, eu pensei 'um dia hei-de escrever um livro que de alguma forma tem uma história de naufrágios para contar'", relata a autora com quem a RFI abordou os seus mais recentes trabalhos, a mensagem que tenta fazer passar e o seu olhar sobre a actualidade.

347 episódios