Casal de escritores brasileiros busca em Hollywood novo capítulo de suas carreiras

5:18
 
Compartilhar
 

Manage episode 319619491 series 1467011
Por France Médias Monde and RFI Brasil descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Hollywood é aquele lugar onde cabem todos os reinos, fadas, bruxas, dragões e também sonhos. É onde é preciso estar caso o agente peça uma reunião na próxima hora que pode render o melhor contrato da vida. Por isso, um dos casais mais badalados da atual literatura fantástica brasileira resolveu trocar de endereço e escrever na terra do cinema os próximos capítulos das suas histórias, literalmente e em vários sentidos. Carolina Munhóz e Raphael Draccon já venderam juntos mais de um milhão de livros. Arrastam multidões de fãs no Brasil sempre ávidos por mais páginas das suas histórias mágicas, povoadas de criaturas místicas. Mas, no momento, os leitores vão precisar esperar mais um pouco, pois o audiovisual é o foco dos próximos projetos. "Estava linda a nossa carreira, tínhamos tudo que a gente tanto batalhou para conquistar no Brasil, mas nós sabíamos que se um dia nossos livros tivessem a oportunidade de serem adaptados, não aconteceria provavelmente no Brasil por causa de orçamento, por conta das histórias, e a gente teria que ir para o exterior. Aí viemos para cá (Los Angeles) com o foco inicial de estabelecer nossa carreira no mundo cinematográfico, televisivo e, aos poucos, trazendo as obras para os Estados Unidos", conta Carol. O casal, que já integrou várias listas dos livros mais vendidos no Brasil, mora há seis anos em Los Angeles. Neste tempo já escreveram a quatro mãos o roteiro dos 12 episódios das duas temporadas de "O Escolhido" e também desenvolveram a história que inspirou a série "Cidade Invisível", ambas produções originais da Netflix. Nas próximas semanas, eles acreditam que vão poder compartilhar mais novidades com os fãs, mas ainda fazem mistério sobre um contrato que está sendo negociado há mais de seis meses. "É uma negociação bem abrangente de um próximo passo na nossa carreira, relacionado com filmes e séries. Queremos muito falar o que é e para quem em breve", diz Carol. Livro para gringo ler Um dos principais sonhos é poder vender na terra do Tio Sam as mais de duas dezenas de títulos que já fazem tanto sucesso no Brasil, México, Portugal e países lusófonos da África. Draccon tem 12 livros publicados e Carol, 11. Mas, destacam que ainda há muita dificuldade de escritores estrangeiros, que fizeram tramas em outras línguas, quebrarem a barreira e entrarem no mercado editorial americano sem caírem nos estereótipos. "A gente teve contato com um agente que escutou a nossa história, não só dos livros mais de vida. Ele soube que o meu pai era do Morro do Borel, no Rio de Janeiro, que eu vi o Bruce Lee quando tinha seis anos e prometi que seria tudo que o Bruce Lee era, escritor, faixa preta e (profissional de) cinema. Aí ele virou para mim e falou: 'Se você quiser escrever um livro sobre isso, sobre o menino da favela com influências de Bruce Lee, essa história de superação, isso eu consigo vender'. Mas não é isso que a gente veio fazer aqui e também não é o que a gente quer escrever. A gente quer escrever as histórias que fizeram o nosso caráter, que são as histórias de literatura fantástica", fala Draccon Segundo Carolina Munhóz, "no audiovisual ainda existem várias barreiras, mas como o brasileiro também se enquadra na categoria Latinx, há mais possibilidades para a gente entrar no mercado aqui. Mas quando você explica para um editor americano que esse é um livro de fantasia, mas foi escrito por um brasileiro, publicado no Brasil, automaticamente ele já se fecha achando que vai ser um conteúdo ou completamente brasileiro ou com uma visão só brasileira que não atingiria o mercado internacional". Primeiro para as telas A aposta no cinema é exatamente para pavimentar o caminho inverso. Se é mais fácil chegar antes às telas, quem sabe os livros pegam carona? Levar histórias como a da tetralogia de' Dragões de Éter' (carro chefe de Draccon) e 'Feéric'a (Carolina Munhóz) para as telas é o grande projeto. Draccon revela que quase já foi concretizado, mas é preciso uma proposta à altura da magia dos seus livros para não decepcionar os fãs e isso passa por Hollywood, já que para adaptar os mundos fantásticos seria necessário uma super e cara produção. "É porque é um mundo medieval no final das contas. É um 'O Senhor dos Anéis' ou um 'Game of Thrones', a 'vibe' que você tem, só que com personagens mais jovens, no estilo 'Caverna do Dragã'o. Sobre o 'Feérica' da Carol também, a gente já teve três reuniões com produtoras que tentaram comprar na época, mas não fazia sentido a maneira como queriam adaptar a história", revela Draccon. "Desde a nossa mudança, um dos maiores focos tem sido a adaptação das obras. Nós já tivemos reuniões com todas as grandes produtoras aqui de Hollywood, apresentamos 'Dragões de Éter', 'Feérica', 'Cemitérios de Dragões' quase vendeu, bateu na trave", contam os escritores. História de conto de fadas com mago como cupido Carolina Munhóz começou a escrever quando tinha 16 anos e logo ganhou destaque e prêmios nacionais. Draccon, que tem uma história de superação, é um dos precursores da literatura fantástica no Brasil. Ele foi o mais jovem a assinar contrato com uma grande editora nesta categoria, além de ser um dos mais vendidos e influentes nesse mundo da fantasia. Os dois juntaram seus universos na vida real em uma história que até parece de conto de fadas. Tiveram como cupido o mago Paulo Coelho, que há 11 anos sugeriu que os dois escritores deveriam se conhecer por já se destacarem na literatura jovem brasileira. A primeira conversa durou sete horas e um mês depois já estavam compartilhando o mesmo teto. Cada um desenvolve o mundo fantástico de seus livros em paralelo, mas os roteiros e a criação de histórias para os audiovisuais são escritos a quatro mãos. Carol fica na parte mais bruta dos roteiros - e administra os negócios - enquanto Draccon lapida as cenas e os diálogos. Em outubro de 2021 os dois participaram com contos próprios da edição especial de "Os Meninos Maluquinhos e As Meninas Maluquinhas" (editora Melhoramentos), em homenagem ao clássico de Ziraldo. Já o último solo de cada um foi "Estandartes de Névoa" - quarto livro da série "Dragões de Éter" (Raphael Draccon) e “Por um Toque de Magia“, último volume de Trindade Leprechaun (Carolina Munhóz). Por enquanto, não sabem quando terão tempo para a imersão na intensa jornada de escrever mais uma obra literária, já que as produções audiovisuais tomam todo o tempo. Sem falar que boa parte do dia é dedicada a outra - e maior - superprodução do casal, Avalon: a filhinha que nasceu em Hollywood durante a pandemia e que agora inspira novas histórias.

360 episódios