#65 Autocompaixão Feroz (com Erika Leonardo de Souza)

1:21:38
 
Compartilhar
 

Manage episode 315294171 series 2548577
Por Coemergência | Podcast descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Nesta edição do Coemergência, recebemos a querida psicoterapeuta, doutora em Ciências, e mãe dos pets Leonardo e Donatella, Erika Leonardo de Souza. Especializada em abordagens baseadas em Mindfulness e Compaixão, Erika é a pessoa certa, no lugar certo, para conversar com a gente sobre o tema de hoje: a autocompaixão feroz. Um dos temas mais recorrentes desse podcast é a compaixão. Afinal, se o mundo exterior coemerge com os referenciais dos sujeitos, ele sempre pode ser transformado. Para que a compaixão fizesse sentido para pessoas do mundo eurocêntrico do século XXI, a pesquisadora e psicóloga Kristin Neff, e outras profissionais seguindo suas trilhas, perceberam a necessidade de falar também em autocompaixão (ou, como nossa convidada prefere, compaixão autodirecionada). Essa abordagem nos ajuda a lembrar de que uma compaixão que nos exclui está incompleta e é impraticável: não vamos conseguir efetivamente cuidar dos demais seres sem antes cuidarmos de nós mesmos. O programa de hoje traz mais uma especificação muito importante e muito bem-vinda: ele trata da "autocompaixão feroz", título do livro mais recente de Kristin Neff. Ao falar nesses termos, Neff busca mostrar que, se é verdade que a autocompaixão às vezes se mostra em sua face "terna", em outros é necessário que ela assuma a sua dimensão de "ferocidade". É fácil perceber o quanto é necessário aprofundar a reflexão: para dar um exemplo dentre vários possíveis, como distinguir a ferocidade da raiva? E em um mundo que tantas vezes usa um discurso de rejeição da raiva para reprimir as vozes de minorias, como fazer tal distinção de um modo que não dê continuidade a esse silenciamento? Ao mesmo tempo, ainda que essa repressão exista, isso não significa automaticamente que a raiva seja a melhor ferramenta ao nosso dispor. Se for o caso, como trabalhar com essa energia quando ela se manifesta? Essas foram algumas das questões que Erika tratou com a gente. Não é surpreendente que as discussões de gênero sejam tão centrais no livro da Neff e para a nossa própria conversa. Neff começa seu livro dizendo que ela e todas as mulheres com quem ela fala sentem que “Há algo no ar”, e esse algo é o movimento das mulheres para se manifestarem no mundo na plenitude de sua humanidade, para além da suavidade que os papéis convencionais de gênero aceitam. Há muito tempo, sair desse script produziu um preço muito alto para as mulheres. Neff acredita que a afirmação, por parte das mulheres, do direito de ser feroz é uma contribuição imensamente importante para a liberação das opressões de gênero, e, a partir daí, potencializa também todas as outras lutas contra injustiças. Os referenciais e práticas da autocompaixão feroz são a maneira de Neff, Erika - e certamente também nosso e de todo mundo que está ouvindo -, de contribuir para a criação desse mundo livre de opressões. *** Você talvez perceba que estamos experimentando um formato um pouco mais parecido com uma roda de conversa do que exatamente uma entrevista. A única constância com que nos comprometemos, afinal de contas, é com a tentativa de fazer conversas relevantes, aprofundadas e bem-humoradas. Esperamos que gostem da brincadeira! *** Caso você queira apoiar nosso trabalho, cogite visitar nossa página no apoia.se/coemergencia! ;)

79 episódios