EP 50 | ECONOMIA | Conseguimos ser sempre racionais nas nossas decisões?

46:59
 
Compartilhar
 

Manage episode 323096239 series 2916187
Por Fundação Francisco Manuel dos Santos descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Será que é a racionalidade a que nos domina, no momento de tomarmos uma decisão?

Conseguimos evitar que factores emocionais interfiram nas nossas escolhas?

Senhores e Senhoras, fiquem a saber: nem a Economia - aparentemente o universo da razão - escapa à influência daquilo que também caracteriza o ser humano: os enviesamentos da emoção.

Joana Pais e Hugo van der Ding descrevem neste episódio as diferenças entre a Economia Neo-Clássica e a Economia Comportamental, e abrem o caminho para uma série de experiências e testes que demonstram como o nosso raciocínio (sim, o seu também) não escapa às inúmeras rasteiras que se nos apresentam quando temos simplesmente de… fazer uma opção.

REFERÊNCIAS E LINKS ÚTEIS:

Sistema 1 e Sistema 2: Kahneman, Daniel (2011)

Thinking, fast and slow. Farrar, Straus and Giroux. [Livro]

Teste de reflexão cognitiva:

Frederick, Shane. 2005. "Cognitive Reflection and Decision Making." Journal of Economic Perspectives,19 (4): 25-42. [art. científico]

Problema de Monty Hall, concurso de televisão dos anos 70 Let’s Make a Deal, Marilyn vos Savant.

Paralisia da escolha:

Iyengar, S. S., & Lepper, M. R. (2000). When choice is demotivating: Can one desire too much of a good thing? Journal of Personality and Social Psychology, 79(6), 995–1006: https://doi.org/10.1037/0022-3514.79.6.995

Reutskaja, E., Lindner, A., Nagel, R., Camerer, C., et al. Choice overload reduces neural signatures of choice set value in dorsal striatum and anterior cingulate cortex.Nat Hum Behav 2, 925–935 (2018): https://doi.org/10.1038/s41562-018-0440-2

Heurística da disponibilidade:

Tversky, A. e Kahneman, D. (1973). Availability: A heuristic for judging frequency and probability. Cognitive Psychology 5, 207-232. [art. científico]

Heurística da ancoragem:

Tversky, A. e Kahneman, D. (1974). Judgment under Uncertainty: Heuristics and Biases. Science 185, 1124-113. [art. científico]

Aversão à perda:

Odean, T (1998). Are investors reluctant to realize their losses? The Journal of Finance 53, 1775-1798. [art. científico]

BIOS

JOANA PAIS

Joana Pais é professora de Economia no ISEG da Universidade de Lisboa. Obteve o seu Ph.D. em Economia na Universitat Autònoma de Barcelona em 2005. Atualmente é coordenadora do programa de Mestrado em Economia e do programa de Doutoramento em Economia, ambos do ISEG, e membro da direção da unidade de investigação REM - Research in Economics and Mathematics. É ainda coordenadora do XLAB – Behavioural Research Lab, um laboratório que explora a tomada de decisão e o comportamento económico, político e social, suportado pelo consórcio PASSDA (Production and Archive of Social Science Data). Os seus interesses de investigação incluem áreas como a teoria de jogos, em particular, a teoria da afetação (matching theory), o desenho de mercados, a economia comportamental e a economia experimental.

HUGO VAN DER DING

Hugo van der Ding nasceu nos finais dos anos 70 ao largo do Golfo da Biscaia, durante uma viagem entre Amesterdão e Lisboa, e cresceu numa comunidade hippie nos arredores de Montpellier. Estudou História das Artes Decorativas Orientais, especializando-se em gansos de origami. Em 2012, desistiu da carreira académica para fazer desenhos nas redes sociais. Depois do sucesso de A Criada Malcriada deixou de precisar de trabalhar. Ainda assim, escreve regularmente em revistas e jornais, é autor de alguns livros e podcasts, faz ocasionalmente teatro e televisão, e continua a fazer desenhos nas redes sociais. Desde 2019 é um dos apresentadores do programa Manhãs da 3, na Antena 3.

68 episódios