103: Por que ler os clássicos na crise - com Diogo Fontana

2:25:38
 
Compartilhar
 

Fetch error

Hmmm there seems to be a problem fetching this series right now. Last successful fetch was on May 01, 2021 17:14 (2M ago)

What now? This series will be checked again in the next day. If you believe it should be working, please verify the publisher's feed link below is valid and includes actual episode links. You can contact support to request the feed be immediately fetched.

Manage episode 271115349 series 1041827
Por Senso Incomum descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Seja membro do Brasil Paralelo: https://site.brasilparalelo.com.br/seja-membro/?src=91492b9dc0fe420a952402bd4816bec1& Livraria Senso Incomum: https://livraria.sensoincomum.org/ Curso Jordan Peterson - Entre a Ordem e o Caos: http://olivertalk.com/curso-jordan-peterson/?ref=J32519121W Faça seu currículo com a CVpraVC: https://sensoincomum.cvpravc.com.br/ Loja Vista Direita: https://www.vistadireita.com.br/categoria/senso-incomum/ Guten Morgen, Brasilien! Em meio à maior crise política, econômica, de valores e de própria definição do Ocidente, uma pergunta inquieta as pessoas cultas, inteligentes, sábias, bonitas, marombadas e de peito peludo em cima de suas Harleys: qual grande clássico da literatura devemos ler hoje? E nada melhor do que convidar um editor de literatura barra pesada, o grande Diogo Fontana, da editora Danúbio, para responder esta questão! Ok, pessoas diminutas, com QI deficiente e que bebem cerveja aguada estão preocupadas com o Bolsonaro. Com a última nota do Antagonista ou a última coluna da Folha. Mas nós, pessoas lindas, simpáticas, admiradas e doutas sabemos que nem o mais conturbado dos presentes tem muito valor diante da imensidão da Eternidade. E foi na tribulação dos piores períodos da história que a melhor das literaturas surgiu. Ninguém se lembra hoje quem são os Antagonistas e colunistas da Folha da época. Mas lembramos de Dante pensando na Eternidade no meio das guerras familiares e corrupção sodômica de Florença. Também lembramos de Dostoievsky no mar de revoluções dos últimos anos do tsarismo, sem sequer conhecer os jornalistas e as pessoas que ficavam no Twitter da época comentando tretinhas como se fosse a coisa mais importante do Universo. Sabemos quem são Shakespeare e Cervantes, mas não sabemos quais eram as fofocas do período elisabetano ou do início da modernidade espanhola. E afinal, pelo que é que nós, pessoas másculas, invejadas, geniais e exagerando no grau sexy lutamos? Não é pelos valores eternos, e não pela última modinha no Twitter? Pela alta cultura, e não por meia dúzia de -ismos e -fobias de comedores de soja, espectadores do Felipe Neto, leitores de Djalmira e ouvintes de Anitta? Diogo Fontana aproveita essa turbulenta crise justamente para falar dos clássicos - e por que devemos falar mais de clássicos e menos de pessoas desimportantes, que nunca serão clássicos - e mesmo nunca lerão os clássicos, que devem ser o grande tema das nossas conversas. Ligue o som, eleve a linguagem, aprecie um bom vinho, puxe bastante ferro - e seja clássico e esteja em diálogo com os clássicos, ao contrário daquele povo esquisito e malcheiroso que lê revista piauí, fala gírias de retardado, fuma maconha e não ouve o Guten Morgen. A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto na Panela Produta, com produção visual de Gustavo Finger da Agência Pier. Guten Morgen, Brasilien!

113 episódios