97: Por que a literatura brasileira não reflete a realidade?

2:49:13
 
Compartilhar
 

Manage episode 251297530 series 1041827
Por Senso Incomum descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Guten Morgen, Brasilien! Fazendo uma pausa com temas políticos chatos e com duração de uma semana, chamamos nosso querido colunista Carlos de Freitas para comentar uma frase de Olavo de Carvalho, logo no início do COF: a afirmação de que a literatura brasileira é a única literatura no mundo que não reflete a realidade do país. Ou seja, países muito mais pobres e atrasados materialmente do que o Brasil, seja na América Central ou África, possuem literaturas mais avançadas e trabalhadas. E, sobretudo, que de uma forma ou de outra, mesmo simbolicamente, refletem algo da realidade de seus países, enquanto a nossa literatura quase inteira fala unica e exclusivamente sobre como era ruim a ditadura militar. Ou seja: as angústias atuais do povo brasileiro, seja a insegurança e a pobreza, ou mesmo temas muito mais afastados da política, como o estranhamento urbano em relação à natureza, o conflito moral interno, a honra, o desentendimento familiar, a perda do sentido do sagrado e o diálogo com Deus – tudo isso está alheio em uma literatura de tipos quadrados, estereótipos e tipos abertamente fracassados, sempre inferiores a seu meio e culpando as circunstâncias por sua miséria. Por que isto ocorre? O Brasil, afinal, já é um país que começa a se tornar materialmente rico, enquanto nossa cultura e imaginação só se deterioram e se empobrecem – para não falar de nosso domínio sobre a língua portuguesa. Nesse podcast, falaremos sobre literatura, sobre cultura e os grandes temas que movem a humanidade desde antes de inventarem a escrita – o heroísmo, a amizade, as aventuras, as intrigas – até chegarmos aos temas da modernidade, no que ela produziu de bom. De Homero a Coleridge, da Bíblia a Houellebecq. E tudo comentando sobre grandes livros, é claro – porque você deve aproveitar este ano para ler mais o que importa, e o único jeito para isso é lendo menos o que não importa. A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto no estúdio Panela Produtora, com produção visual de Gustavo Finger da Agência Pier. Guten Morgen, Brasilien! ------------- Conheça a importância da Primeira Guerra Mundial assinando o Guten Morgen Go - go.sensoincomum.org

113 episódios