Momento Sociedade #59: Emoção se sobrepõe à análise racional na escolha de candidatos

9:24
 
Compartilhar
 

Série arquivada ("Feed inativo " status)

When? This feed was archived on December 31, 2020 04:08 (22d ago). Last successful fetch was on November 30, 2020 11:55 (2M ago)

Why? Feed inativo status. Nossos servidores foram incapazes de recuperar um feed de podcast válido por um período razoável.

What now? You might be able to find a more up-to-date version using the search function. This series will no longer be checked for updates. If you believe this to be in error, please check if the publisher's feed link below is valid and contact support to request the feed be restored or if you have any other concerns about this.

Manage episode 278448070 series 2470282
Por Jornal da USP descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

O segundo turno das eleições municipais se aproxima e a opção por um candidato a prefeito continua sendo uma realidade para 57 cidades brasileiras. José Luiz Portella, doutor em História Econômica pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, avalia os critérios utilizados pelo eleitor ao definir seu voto e o resultado dessa decisão após as eleições neste episódio do Momento Sociedade.

Ele conta que, na maioria das vezes, “o comunicador se sobrepõe ao gestor”, ou seja, o eleitor leva mais em consideração a simpatia do candidato do que a real capacidade de cumprir a agenda do governo e as políticas públicas defendidas em campanha. “Somos mais passionais, votamos com a emoção e não analisamos a fundo racionalmente o projeto de governo. Nós, como eleitores, sempre nos colocamos como vítimas, jogando a culpa nos políticos, mas precisamos passar a fazer nosso dever de casa”, aponta Portella.

Além disso, após o período eleitoral, o acompanhamento dos candidatos é feito de maneira superficial. Para que esse abandono não aconteça, Portella acredita que seja necessária a ação de um órgão que organize informações relevantes para o cidadão de maneira contínua e não fragmentada: “Precisamos elencar as políticas públicas e organizar esse processo para o eleitor, assim como a discussão da imprensa focar mais na capacidade de gestão dos candidatos e não só na comunicação durante o período pré-eleitoral”.

Saiba mais ouvindo a entrevista na íntegra.

715 episódios