Pílula Farmacêutica #52: Farmacovigilância assegura saúde da população quanto aos medicamentos comercializados

5:57
 
Compartilhar
 

Série arquivada ("Feed inativo " status)

When? This feed was archived on December 31, 2020 04:08 (21d ago). Last successful fetch was on November 30, 2020 11:55 (2M ago)

Why? Feed inativo status. Nossos servidores foram incapazes de recuperar um feed de podcast válido por um período razoável.

What now? You might be able to find a more up-to-date version using the search function. This series will no longer be checked for updates. If you believe this to be in error, please check if the publisher's feed link below is valid and contact support to request the feed be restored or if you have any other concerns about this.

Manage episode 278359790 series 2470282
Por Jornal da USP descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Na falta de remédio que cure a covid-19, o mundo espera por uma vacina que parece ser a resposta mais rápida neste momento de pandemia. Mas o processo de produção, tanto de uma vacina quanto de medicamentos, demanda uma série de estudos e cuidados necessários para que eles sejam seguros para a saúde humana.

Nesta edição do Pílula Farmacêutica, a acadêmica Kimberly Fuzel, orientanda da professora Regina Andrade, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, fala sobre a farmacovigilância, termo que define o setor responsável por esses cuidados.

Segundo Kimberly, a farmacovigilância é mais conhecida pela relação com a detecção e caracterização de eventos adversos de um medicamento ou os efeitos colaterais. Mas, continua a acadêmica, a farmacovigilância envolve um conjunto de estudos e atividades que identificam, avaliam, compreendem, previnem efeitos colaterais e interações medicamentosas, além de ser responsável por identificar e quantificar os fatores de risco do uso do medicamento, como também de analisar e disseminar informações aos “profissionais da saúde e para os pacientes”.

Todo esse processo de detecção de possíveis problemas, adianta Kimberly, trabalha para minimizar chances de morbidade associadas ao uso do medicamento e tem o farmacêutico como figura central, pois “ele tem o conhecimento e as habilidades necessárias para fazer a seleção dos medicamentos, avaliar a qualidade e as possíveis reações adversas, averiguar as interações medicamentosas, além de encorajar o uso racional de medicamentos”.

Kimberly lembra que o farmacêutico participa ativamente nesse processo de farmacovigilância, já que ele pode identificar e notificar os efeitos adversos e seus riscos, além de ajudar a avaliar a necessidade de atualização da bula do medicamento ou de implantar alguma ação de alerta. Sobre os eventos adversos, a acadêmica alerta para a possibilidade de poderem levar à morte ou causar lesões graves, apesar de parecerem leves ou moderados a princípio. Podem “ser considerados um problema de saúde pública”.

Núcleo ligado à Vigilância Sanitária realiza farmacovigilância em São Paulo

Desde 1998, a Secretaria de Estado da Saúde realiza a farmacovigilância para controle do uso dos medicamentos e conhecimento de seus efeitos sobre a saúde da população do Estado de São Paulo. Mas, conta Kimberly, somente em 2005 a farmacovigilância se tornou o Núcleo de Farmacovigilância, que é vinculado à Divisão Técnica de Produtos de Interesse à Saúde do Centro de Vigilância Sanitária de São Paulo.

Esse núcleo, continua a acadêmica, acompanha as ações de vigilância sanitária referentes aos medicamentos e seus efeitos na saúde das pessoas, além de estabelecer e executar normas e procedimentos com base nas notificações sobre os eventos adversos. Essas notificações chegam através do sistema eletrônico de notificação, conhecido como Periweb, e orientam o monitoramento de segurança dos medicamentos.

É também de responsabilidade do Núcleo de Farmacovigilância, segundo Kimberly, a proposição de normas técnicas, os alertas terapêuticos e comunicados para melhorar e manter a segurança dos medicamentos comercializados. Para tanto, o núcleo divulga periodicamente informações atualizadas para os profissionais de saúde através de boletins eletrônicos.

Ouça este episódio do

715 episódios