USP Analisa #36: Compostos da maconha e da ayahuasca podem ser usados no tratamento de doenças

26:03
 
Compartilhar
 

Série arquivada ("Feed inativo " status)

When? This feed was archived on December 31, 2020 04:08 (21d ago). Last successful fetch was on November 30, 2020 11:55 (2M ago)

Why? Feed inativo status. Nossos servidores foram incapazes de recuperar um feed de podcast válido por um período razoável.

What now? You might be able to find a more up-to-date version using the search function. This series will no longer be checked for updates. If you believe this to be in error, please check if the publisher's feed link below is valid and contact support to request the feed be restored or if you have any other concerns about this.

Manage episode 278686009 series 2470282
Por Jornal da USP descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

A maconha e a ayahuasca são substâncias bastante conhecidas por seus efeitos no estado de consciência das pessoas. Porém, nos últimos anos, elas têm sido estudadas também no combate a uma série de doenças, como Parkinson e epilepsia, e até mesmo no tratamento da depressão. Para mostrar como estão as pesquisas com essas substâncias no Brasil e na USP Ribeirão Preto, o USP Analisa exibe a partir desta semana uma entrevista especial em três partes com o pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, Rafael Guimarães dos Santos.

Ele explica que o caminho para qualquer substância chegar às prateleiras das farmácias inclui quatro fases: a primeira, que indica sua toxicidade; a segunda, que envolve testes em pequenos grupos e indica a dose correta a ser usada; a terceira, em que a substância é aplicada em centenas ou milhares de pessoas para comprovar a eficácia; e a quarta, para observar possíveis efeitos adversos com o produto já em uso. Medicamentos que venham a conter compostos extraídos da maconha ou da ayahuasca também seguem essa regra.

Em relação à maconha, o pesquisador diz que é preciso diferenciar o uso recreativo do uso medicinal. “O uso recreativo, de maneira geral, é de jovens entre 20 e 30 anos que usam buscando a experiência parecida com as pessoas que usam álcool, o que é ilegal no nosso país e na maior parte do mundo. No uso medicinal, a conduta deveria ser como a de qualquer remédio, ou seja, a automedicação pode ser bastante perigosa.”

Ele conta que em países onde há regulamentação do uso de compostos dessa substância, o próprio governo tem plantações com variedades específicas em relação ao conteúdo de canabinoides, como o tetra-hidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD). “Nesses países, ela vem sendo usada, por exemplo, para tratar dor crônica. Há alguns estudos preliminares para autismo e epilepsia. Mas isso não significa que as pessoas podem buscar maconha na ‘boca’ e dar para o filho autista em casa. A gente entende o desespero das famílias, mas é sempre importante ter a orientação de um profissional”, diz Santos.

Ouça no player acima a entrevista na íntegra do pesquisador Rafael Guimarães dos Santos para o USP Analisa. Para saber mais novidades sobre o programa e outras atividades do IEA-RP, inscreva-se em nosso canal no Telegram.


USP Analisa
O USP Analisa Vai ao ar pela Rádio USP às quartas-feiras, às 18h05, com reapresentação aos domingos, às 11h30, e também está disponível nos principais agregadores de podcast. O programa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP. Apresentação e edição: Thaís Cardoso. Produção: João Henrique Rafael Junior. Coordenação: Rosemeire Talamone.

.

715 episódios