Momento Tecnologia #36: Estudos da resistência antimicrobiana podem ajudar no tratamento e diagnóstico de pacientes quimioterápicos

9:51
 
Compartilhar
 

Fetch error

Hmmm there seems to be a problem fetching this series right now. Last successful fetch was on November 27, 2020 21:49 (8d ago)

What now? This series will be checked again in the next day. If you believe it should be working, please verify the publisher's feed link below is valid and includes actual episode links. You can contact support to request the feed be immediately fetched.

Manage episode 273225633 series 2517535
Por Jornal da USP descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Segundo pesquisa divulgada em 2019 pela Organização das Nações Unidas, infecções que não respondem a medicamentos já são responsáveis por pelos menos 700 mil óbitos anualmente. Pensando nesse problema, a pesquisadora Andrea Balan, do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, criou a Platshow, uma plataforma que pode ser usada para avaliar o perfil de resistência de cada bactéria, reduzir efeitos colaterais e aumentar a eficiência das medicações.

Para entender como funciona a resistência antimicrobiana, o professor Jorge Sampaio, do Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, explica que “a resistência aos antimicrobianos é uma resposta de um ser vivo em uma tentativa de sobrevivência”. Para adquirir a resistência às múltiplas drogas, Andrea explica que uma maior exposição a micro-organismos, devido à falta de saneamento básico e à ingestão incorreta de medicamentos, contribue para a aquisição da resistência.

Dos cinco mecanismos de resistência antimicrobiana que existem, a Platshow estuda o mecanismo de bomba de efluxo, responsável por bombear o antibiótico para fora da célula. As bombas são proteínas de membranas difíceis de serem produzidas, por isso, para estudar o mecanismo de bombas de efluxo, a Platshow utiliza a clonagem e a bioinformática (o uso da informática no campo da biologia) para investigar apenas partes dessas proteínas que são necessárias para o estudo da resistência.

Com o uso da Platshow é possível inibir a atividade das bombas de efluxo, resultando na diminuição do uso de medicamentos em pacientes quimioterápicos, por exemplo, como explica Andrea: “Quando a gente, por exemplo, administra uma droga no tratamento do câncer, as células do nosso corpo reconhecem que essa droga também pode matar a célula e mandam para fora. Então, a gente tem que dar uma dose maior do remédio que está sendo administrado para eliminar o efeito dessas proteínas e, com isso, você aumenta o efeito colateral do tratamento”.

Para o professor Jorge Sampaio, embora estude apenas um dos cinco mecanismos de resistência antimicrobiana, a plataforma traz uma importante contribuição tanto para a avaliação de anticorpos como também para o aumento da eficácia de tratamentos do câncer: “O projeto é extremamente interessante por propor uma nova estratégia para avaliar anticorpos, para entendermos bem como ocorrem interações com antimicrobianos. Uma outra aplicabilidade é a questão da resistência quimioterápica, ou seja, da resistência das nossas células ao tratamento do câncer, então talvez isso seja também bastante útil nesse sentido”.

Ouça o podcast na íntegra com reportagem de Gabrielle Abreu.


Momento Tecnologia
Edição de roteiro: Denis Pacheco
Edição de som: Guilherme Fiori
Edição geral: Cinderela Caldeira
E-mail: ouvinte@usp.br
Horário: Quinzenalmente, terças-feiras, às 8h05

O Momento Tecnologia vai ao ar na Rádio USP, quinzenalmente, segundas-feiras, às 8h05 – São Paulo 93,7 MHz e Ribeirão Preto 107,9 MHz e também nos principais agregadores de podcast Veja todos os episódios do Momento Tecnologia

51 episódios