Pela Cidade especial Cidade, Gênero e Interseccionalidade #17: Helena Vieira

23:34
 
Compartilhar
 

Manage episode 285739352 series 2810427
Por LabCidade descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

O segundo podcast Pela Cidade de 2021 - ainda reverberando o mês da visibilidade trans e reafirmando nosso compromisso com a pauta o ano inteiro! - traz uma entrevista com a escritora e pesquisadora transfeminista Helena Vieira. Nascida em São Paulo, Helena ‘renasceu’ em Fortaleza, cidade onde realizou sua transição, em 2015. Nas últimas eleições, foi pré-candidata a prefeita na cidade. Helena estudou Gestão de Política Públicas na USP e é pesquisadora do Núcleo de Políticas de Gênero da UNILAB.

O podcast foi realizado por Jayne Andrade, Karina Yuki Kagohara, Monaliza Izidorio Pinheiro e Ticiana Hipólito Gavioli como trabalho final da disciplina “Instrumentos de Planejamento”, ministrada em 2019 por um coletivo de alunas e alunos de graduação e pós, e pela professora Paula Santoro, no curso de Arquitetura e Urbanismo da FAU-USP.

Na entrevista, Helena passa por diversos assuntos. Fala sobre o espaço urbano e a presença de corpos dissidentes, aos quais não é permitido vivenciar a cidade como pólis, ou seja, enquanto mundo público, relegando-os ao espaço da noite, da escuridão. Essa divisão entre corpos que podem vivenciar a cidade de dia, nos espaços de visibilidade, e aqueles a quem é destinado o espaço da invisibilidade, fundamenta-se no próprio estatuto de humanidade que é dado aos indivíduos por seus marcadores. Daí a importância de se pensar ‘políticas de trânsito’ entre esses dois mundos, desde políticas urbanas concretas que de fato considerem as vivências travestis na cidade, como aquelas que combatam a transfobia institucional e garantam os direitos de travestis no mundo público.

Helena faz um alerta sobre a ausência de dados relativos às pessoas travestis e suas condições de vida, o que impede a realização de diagnósticos e a própria formulação de políticas públicas. Além disso, reivindicou o direito de pessoas travestis falarem não apenas sobre identidade de gênero ou sexualidade, mas sobre política, economia e todos os outros temas que não passem, necessariamente, por suas experiências pessoais. Como bem disse Helena: “Travesti sabe fazer política!”.

75 episódios