O Twitter e o Elon Musk, preparar a Black Friday e o futuro do trabalho – e93s01

 
Compartilhar
 

Manage episode 345938700 series 3325544
Por Marketing por Idiotas descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

No episódio 93 falamos sobre o Twitter e o Elon Musk, preparar a Black Friday e o futuro do trabalho

Episódio de: 2 de Novembro, 2022

Download do podcast

MIGUEL

https://www.macrumors.com/2022/10/31/elon-musk-twitter-vine-reboot/?utm_source=tldrnewsletter

https://www.bbc.com/news/technology-63402338

Esta semana vou começar com a notícia que anda na boca do mundo e que anda a deixar o mundo das redes sociais num grande alvoroço:

A compra do twitter por Elon Musk!

Mas atenção: Como os meus ouvintes e apoiantes já sabem eu gosto de procurar informação nas entrelinhas…e tenho passarinhos em todos os cantos do mundo que me trazem as informações que não aparecem nas notícias!

Ellon Musk comprou o twitter por 44 biliões…mas na realidade o seu alvo era outro!

Diz-se nos corredores de sillicon valley que uma das primeiras instruções de elon musk foi falar com uma equipa de engenheiros para criarem uma nova versão da rede social VINE.

O Vine foi uma rede social que foi comprada pelo twitter em 2012 e terminada em 2016 por ter poucos utilizadores.

Basicamente era uma rede social para videos de 6 segundos, um pouco ao jeito do twitter mas versão video.

Esta foi uma rede social pré-tiktok e aparentemente o Ellon acredita que pode ser a chave para competir com o TIK TOK.

Bem mas vamos lá então abordar o grande elefante na sala… a tal noticia que vos trouxe até aqui hoje.

O Ellon Musk comprou realmente o twitter.

O primeiro tweet após a compra de elon musk foi: “The bird is freed”, ou numa tradução para português: “A ave soltou a Franga!”

Diz-se que a primeira coisa que aconteceu foi o despedimento de alguns executivos de topo incluindo o CEO que foram escoltados para fora dos escritórios…sendo que também já actualizaram as suas contas de linkedin.

Elon Musk como sabem é um forte crítico às politicas de moderação nas redes sociais considerando-se um “Free Speech Absolutist”…tradução em português “Discurso Grátis e Absoluto”.

Diz-se por aí que elon musk vai levantar o ban a algumas figuras como o Ex-Presidente Trump, e outros negacionistas do COVID-19.

Algumas vozes do mundo digital acreditam que o twitter se vai tornar um farwest de discurso extremista e de ódio…outros acreditam que o que aconteceu foi bom.

Quem não tem medo do Elon Musk é um alto comissariado da união europeia que disse: “Na europa o passarinho vai voar com as regras da união europeira”.

Aparentemente está toda a gente cheia de medo a acreditar que o ellon musk é um bicho papão que quer destruir a liberdade no mundo… Há pessoas que dizem publicamente que vão fechar as contas do twitter…

Será que há motivos para tanto alarido?

O Homem abriu-nos o mercado dos carros eléctricos, está a tentar abrir o mercado das viagens espaciais, criou uma rede de internet global a que todos podem aceder, apoiou tecnologias de inteligência artificial que podem ser utilizadas quase gratuitamente…e trouxe-nos sei lá mais o quê…

Será que o Elon Musk é melhor ou pior que os CEOs da Meta e da Amazon…e porque existe tanta controvérsia com esta compra do twitter?

Caros colegas: O nosso público e as nações unidas exigem saber as vossas opiniões face à compra do twitter e o que isto significa para o futuro da humanidade!!!!

Musk Desmantelou a administração atual para ser ele o único gestor

Escreveu aos anunciantes do Twitter que não se preocupassem que a plataforma não seria o wild wild west mas depois ele próprio fez um tweet sobre uma noticia confirmada do marido da Nancy Pelosi

20 dólares por uma conta verificada no Twitter

Elon Musk vai despedir 25% dos trabalhadores do Twitter

Houve um ataque coordenado no 4chan e Telegram para testar a resposta da plataforma assim que o Musk comprou o Twitter e a resposta não foi boa (apesar de ele admitir não ter mexido do algoritmo

Alguns dos utilizadores mais influentes estão a sair do Twitter

DIOGO

Num dos episódios anteriores falámos brevemente sobre um estudo onde 76% dos americanos tinham a intenção de comprar algo na Black Friday com uma projeção de 158 mil milhões de dólares a serem gastos nessa época.

Eu prometi que ainda haveríamos de falar um pouco mais sobre esse interessante estudo e cá estamos nós.

O estudo feito a quase 3000 americanos deixa vários pontos que penso serem interessantes:

  • Como facto de com a inflação planearem gastar menos em jantares e subscrições de serviços de streaming com 50 e 40% respetivamente a assinalar isso, a maioria dos inquiridos não planea gastar menos no Natal ou na Black Friday
  • Apesar da inflação, aproximadamente três quartos dos compradores pleaneam gastar mais ou de forma semelhante nesta Black Friday em relação ao ano anterior.
  • A participação na Black Friday deste ano e o os gastos deverão ser mais elevados que os anos anteriores
  • A maior razão de compras na black friday é para comprar presentes para amigos ou familiares

Enfim podem encontrar mais dados do estudo que irá ser partilhado no nosso grupo de Whatsapp.

Mas a minha questão para os meus caros amigos e o Miguel é: como se podem preparar os marketers que nos ouvem para esta Black Friday?

https://www.globenewswire.com/en/news-release/2022/09/12/2514217/0/en/Consumers-Black-Friday-Spend-Forecast-to-Hit-158-Billion.html

FRED

Não existe uma solução única para o futuro do trabalho.
A pandemia revolucionou completamente a maneira como pensamos sobre escritórios, trabalho remoto e necessidades dos funcionários no local de trabalho – o que significa que não há mais uma maneira “padrão” de trabalhar.

Os últimos dois anos mudaram a forma como trabalhamos de forma profunda, em 4 áreas que seleccionei: produtividade, emoções, risco e cargos.

Acredito que há muito gestores que mostraram que se preocupam, ouviram os empregados, avaliaram com as pessoas a melhor forma para trabalhar sendo flexíveis sobre a forma e os em que os funcionários precisam de estar no escritório.

Bom, um exemplo para contrastar foi olíder de negócios mais franco em relação ao trabalho remoto, o CEO da Netflix , Reed Hastings, aparentemente e cito: não “vê nenhum ponto positivo” em trabalhar em casa. Em entrevista ao WSJ, ele afirmou: “Não poder se reunir pessoalmente, principalmente internacionalmente, é puramente negativo”.

Quando as deslocações recomeçaram, o mesmo aconteceu com o frenético malabarismo logístico escolar que tantos pais conhecem – a questão confusa do que acontece entre o fim do dia escolar e o fim do dia de trabalho, antes de gerir aquela minúscula fita de tempo em que o jantar tem de estar na mesa.

Então o que é que acredito que mudou

  1. Produtividade: À medida que os executivos apertaram as suas políticas de regresso ao escritório, os trabalhadores encontraram os seus dias cheios de mais interrupções; são nostálgicos pelo silêncio e concentração que tinham em casa.

  1. 2. Emoções em exposição: Os executivos querem cada vez mais que os empregados saibam que não são apenas fatos vazios. Para tal, estão a partilhar os seus mais coisas nas redes sociais, conteúdos ou memórias de reuniões ou momentos em equipa com todos os funcionários.

  1. Desistência silenciosa: Esta nova abordagem para estabelecer fronteiras profissionais, pode ser a solução para aqueles que não estão preparados para fazer uma grande saída do seu trabalho.

  1. Títulos de emprego: “Chefe de equipa em qualquer lugar”. “Vice-presidente de trabalho flexível”. A ascensão do trabalho remoto deu lugar a novas posições, cujo poder duradouro ainda tem de ser testado.

Pergunta:

Há valor em regressar à antiga vida de escritório?

O trabalho híbrido será o futuro?

[RAPIDINHAS – NOTÍCIAS DE MARKETING DIGITAL EM PORTUGAL E NO MUNDO ]

[FERRAMENTA DA SEMANA ou Estatística da semana]

Entre as várias plataformas qual a plataforma que mais partilha a receita de anúncios com os seus criadores?

Sobre o Podcast Marketing por Idiotas

O podcast Marketing por Idiotas é um podcast sobre marketing em Portugal. Neste podcast semanal falamos sobre notícias, irritações e inquietações sobre marketing digital e analógico.

O podcast é apresentado e moderado pelo Diretor de Marketing da Turim Hotéis, Ricardo Vieira e tem como comentadores com lugar cativo o freelancer Diogo Abrantes da Silva, o formador e consultor Frederico Carvalho e o CEO da pkina.com e funis.pt Miguel Vieira.

O conteúdo O Twitter e o Elon Musk, preparar a Black Friday e o futuro do trabalho – e93s01 aparece primeiro em Marketing por Idiotas.

104 episódios