Por Que Dói? #02 | Dor do parto

19:40
 
Compartilhar
 

Manage episode 213586472 series 2372146
Por Portal Drauzio Varella descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
A dor do parto é uma das mais temidas pelas mulheres. Ela tem vários estágios e atinge seu ápice na fase expulsiva, quando o bebê está pronto para nascer.
No segundo episódio do podcast “Por Que Dói?”, conversamos com a ginecologista e obstetra Telma Mariotto Zakka, que explica sobre o que podemos esperar do parto, esse momento tão importante na vida de tantas mulheres e o que ajuda no controle das dores.
Veja também: Qual o tipo de parto mais adequado para você e seu bebê
Abaixo transcrição da entrevista completa:
Olá. Meu nome é Juliana Conte, sou repórter do Portal Drauzio Varella, e está no ar mais um episódio do Podcast Por Que Dói.
Hoje a gente vai falar de um assunto que só de pensar já me dá um pouco de aflição: a dor do parto. Eu encontrei um estudo recente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), feito com mais de 25 mil mulheres, que mostra uma coisa muito interessante: a grande maioria [das mulheres] acaba optando pela cesárea pelo medo de sentir dor.
Para se ter uma ideia, a taxa de cesárea na rede particular [de saúde] chega a 80% — um índice muito alto. No SUS, é um pouco menor — ainda que elevado —, ficando à margem dos 42% do total de partos. A coordenadora do estudo, Doutora Maria do Carmo Leal, deu uma entrevista, na qual disse o seguinte: “O índice elevado de cesarianas se deve a uma cultura arraigada de que o procedimento é a melhor maneira de se ter um filho, em parte porque no Brasil o parto normal é realizado com muitas intervenções e dor”. Mas, afinal, o que seria essa dor? Por que ainda é tão temida e tão presente no imaginário feminino? E será que nos âmbitos emocional e físico o parto normal sempre terá um significado de experiência traumática? O que isso significa?…
Para falar mais sobre este tema, a gente convidou a Doutora Telma Mariotto Zakka, que é responsável pelo Ambulatório de Dor Pélvica do Hospital das Clínicas daqui de São Paulo, e também membra da Sociedade Brasileira do Estudo da Dor (SBED). Boa tarde, Dra. Telma. Obrigado pela presença.
Juliana Conte — Gostaria de começar perguntando, doutora, o quanto essa porcentagem alta do número de cesáreas no Brasil tem a ver com esse medo da mulher de sentir dor durante o parto?
Telma Mariotto Zakka — Boa tarde, Juliana. Obrigada pelo convite.
Na verdade, acho que a porcentagem do medo é muito grande, mas existem várias coisas que nós precisamos analisar em relação à essa porcentagem alta de cesáreas. Então, nós temos que pensar na questão cultural… Nós fomos criados, pelo menos no cristianismo, com “parirás com dor”. Esta frase — que está na Bíblia —, se de um lado, durante muitos anos, levou uma desconsideração do processo doloroso no trabalho de parto — porque era natural, era esperado que a mulher tivesse dor durante o trabalho de parto —, por outro, leva as mulheres a temerem — pois se eu tiver um parto normal eu vou ter dor; está escrito na Bíblia.
No entanto, existem vários outros aspectos. Por exemplo, a conveniência… na fase que estamos hoje, nesta geração que chamo de Crtl+C/Crtl+V, em que as pessoas querem que as coisas aconteçam naquela hora, naquele momento [específico]; elas têm todo um preparo, tudo programado… É conveniente que nasça naquela data, porque de alguma maneira vai prestigiar a família… Enfim, todas essas questões devem ser avaliadas, e não só o medo da dor [em si, de maneira isolada].
Então, [temos que considerar] o medo da dor; a conveniência; a questão da própria etnia — mulheres ocidentais parecem ter um limiar de dor e uma tolerabilidade dolorosa menor que as mulheres orientais, que têm os partos mais rapidamente e, aparentemente, entre aspas,

28 episódios