Rendez-vous cultural - 'Baladas Malditas' retraçam crimes históricos e lendas urbanas no coração de Paris

5:42
 
Compartilhar
 

Manage episode 298185816 series 1472638
Por France Médias Monde and RFI Brasil descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Crimes históricos da velha Paris, paixões incandescentes desde a época de Lutécia [como a de Abelardo e Heloísa], reis assassinados em vielas estreitas, velhos fantasmas no mais antigo restaurante de Paris, nos arredores de Notre-Dame. Estas e muitas outras histórias arrepiantes da velha Cité, no coração e origem da capital francesa, são contadas durante as "Baladas Malditas", uma das atrações do Festival de Verão de Paris em 2021. O passeio, que dura duas horas pelas ruas da antiga Paris – ilha da Cité e Marais – traz também curiosidades como as origens de expressões como “o hábito não faz o monge” e “segurar vela”. Mas a galeria de personagens não para por aí, como conta o guia Guillaume Bertrand: "Podemos imaginar, por exemplo, quando a noite cai na velha Paris, os inúmeros mendigos que cercam Notre Dame, os quais pagamos com litros de vinho para que eles façam soar os sinos da catedral, para que os velhos padres não se machuquem. Eles se tornarão o que chamaremos de Quintal dos Milagres, ou o Reinado dos Ladrões, comandado pelo Rei da 'Tune'", conta Bertrand, relatando um dos roteiros nos arredores de Notre Dame de Paris. "'Tune' vem da gíria, uma espécie de língua criptografada usada por antigas maçonarias. Os ladrões tinham sua própria gíria para poder 'truander', ou seja, assaltar as ruas de Paris. Hoje temos na capital as ruas da Grande e da Pequena 'Truanderie'. Os 'truands' também eram os agentes do Fisco", lembra. "Nesta balada nós nos divertimos ao rir do trágico, das execuções públicas, as fogueiras humanas, a guilhotina, os excessos da Revolução Francesa. Meu objetivo também é fazer meus contemporâneos refletirem sobre como as histórias se repetem e as semelhanças entre passado e presente", sublinha o guia certificado de 33 anos, formado em Cinema e Hipnose. "Sempre gostei de contar histórias e me perguntava como criar uma experiência imersiva em Paris. As 'Baladas Malditas' nasceram há 5 anos ao cair da noite, e se destinam aos parisienses que, após o trabalho, queiram fazer uma escapada noturna no coração de sua velha Cité, porque é à noite que o mistério se revela – este é o conceito do passeio", diz. "Recupero narrativas muito antigas que são contadas através dos séculos na capital francesa. Não invento nada, eu realmente fui beber na fonte de velhos livros, de textos obscuros de magia e compilados históricos. Meu interesse é mostrar os vestígios dessa velha Paris e como ela foi construída ao longo dos anos", afirma Bertrand. Na famosa ilha de Saint-Louis, o guia Théo Abramovic destaca as grandes paixões ao fio dos séculos na “Balada dos Amores Malditos”. "Podemos contar, por exemplo, a história da rainha Margot, que morava bem na frente da ilha de Saint-Louis. Esposa de Henrique IV antes de ele se tornar o rei da França, e já separada dele quando o rei se instala em Paris, ela tinha uma reputação sulfurosa com suas inúmeras e tumultuadas aventuras amorosas aqui no hotel medieval de Sens, no Marais", lembra o guia, que se especializou na célebre ilhota no coração de Paris, residência de reis e artistas como Camille Claudel. "E, claro, para mim que amo poesia, não posso deixar de falar de Charles Baudelaire, que se apaixonou por Jeanne Duval, sua musa, que ele apelidou de 'Vênus Negra'", destaca Abramovic. "Jeanne morava na ilha de Saint-Louis, nascida de uma família de escravos libertados, e vivia sozinha numa grande pobreza; ela se prostituía, tinha várias doenças venéreas e muitos relatos da época falam em vícios em drogas. O próprio Baudelaire morava no Hotel de Lauzan, na ilha, onde ele fundou o famoso 'Clube dos Assassinos', que na verdade era o 'Clube do Haxixans', os fumadores de haxixe", relembra o guia, antecipando uma de suas famosas "baladas". Para a chef Carole, de 45 anos, que participou das "Baladas Malditas" de Guillaume Bertrand nesta quarta-feira (21), o passeio foi recheado de "descobertas". "Sou da região parisiense, nasci aqui do lado de Paris e tem um monte de coisa sobre a capital que eu não conheço, que eu nunca havia visitado, então foi um passeio muito legal", afirma. "A gente fica com vontade de saber mais sobre Paris, há tantas épocas, tanta coisa a aprender, a saber... Mesmo se moramos aqui e vemos os grandes monumentos, acabamos não sabendo grande coisa, porque existem milhões de pequenos detalhes que desconhecemos e são passeios como esse que nos fazem descobrir essa outra Paris", diz a francesa. As "Baladas Malditas" de Paris ficam em cartaz no Festival de Verão da capital francesa até o fim de agosto.

211 episódios