Arte da contestação? Caricatura foi usada para defender Império no Brasil, aponta historiadora

5:50
 
Compartilhar
 

Manage episode 328575739 series 1089765
Por France Médias Monde and RFI Brasil descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Mais do que uma fonte de humor, a caricatura é um testemunho da sociedade. No livro Être Caricaturiste (Ser Caricaturista, em tradução livre), lançado na França pela editora Le Poisson Volant, a historiadora brasileira Aline dell’Orto analisa os desenhos produzidos ao longo do século XIX no Rio de Janeiro. Em entrevista à RFI Brasil, ela explica como a caricatura “usa o riso como arma de crítica social”, mas serve, também, para forjar uma ideia de país. Durante sete anos, a historiadora e professora de história e geografia em Paris analisou revistas dos anos 1840 a 1880. Boa parte desse material ela encontrou no acervo digital da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. “O interessante é entender que um país não é feito só de instâncias oficiais e de política. A nossa vida cotidiana, uma caricatura que a gente olha no jornal e ri pode ajudar a construir um país e forjar uma nação,” observa. Entretanto, no Brasil, a caricatura teve características particulares, por ter sido incentivada por Dom Pedro II. “Na França, pensamos a caricatura como uma arte necessariamente de contestação e revolucionária. Já no Brasil, esse riso foi usado, também, para defender o Império, no século XIX”, explica. Brasil moderno? As caricaturas são o objeto de estudo e o tema de doutorado em história de Aline dell’Orto na Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais da França (EHESS) em cotutela com a PUC-RJ. “O fruto da minha tese foi pensar que modernidade é essa na qual o Brasil queria se inscrever, como esse país escravocrata e monarquista queria entrar nessa modernidade e como a caricatura participou desse processo”, detalha. O livro se divide em três partes: “La Politique”, “La Rédaction” e “La Rue”, ou seja, a política, a redação e a rua. “O objetivo dessa separação é não só analisar as imagens, mas entender a caricatura como um fenômeno social”, diz a escritora. Se, no início, as caricaturas brasileiras são marcadas pela influência de cartunistas europeus e pouco permeáveis ​​à contestação do sistema político, a análise mostra que elas mudaram ao longo de décadas e se tornaram cada vez mais críticas. “Num primeiro momento, a caricatura não é uma arte de contestação, mas participa de um projeto liderado pelo próprio Império de construção da nação brasileira e de inscrição dessa nação num painel mais amplo de civilização”, diz a autora. “Ela é inspirada da caricatura europeia, mais especificamente da francesa, mas servindo a esse projeto liderado pelo Império e, mais tarde, ela vai servir a questões de reforma da sociedade brasileira”, como a luta abolicionista, a luta republicana e de liberdades civis. Ou seja, “no Brasil, a caricatura surgiu com os artistas que faziam parte da Academia Imperial de Belas Artes. Ela nasce no seio da arte oficial,” conclui a autora.

1401 episódios