Costões Rochosos (SciCast #414)

1:32:46
 
Compartilhar
 

Manage episode 282330822 series 1279242
Por Portal Deviante descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Com esse episódio começarmos uma série sobre Ecossistemas Costeiros, quase um spin off da série Biomas, onde já falamos sobre a Caatinga, Mata Atlântica e o último sobre o Pantanal.

O que são os Costões Rochosos brasileiros? Que tipo de biodiversidade podemos achar neles? Quais as características evolutivas esses organismos apresentam para se adaptarem a esse ambiente? Sob quais pressões evolutivas eles se formaram? E, mais importante: por que o Bob Esponja vive na Fenda do Biquíni?


CAMBLY

Assinando um plano anual do Cambly até o dia 15/01, com o seu código ou link os seguidores terão automaticamente um super desconto de 47% off nos planos anuais.

Quer um 2021 diferente? Aproveite esse super desconto no Cambly: SCICAST21START

Basta fazer uma conta gratuita e usar o código ;)

App do Cambly para iPhone
App do Cambly para Android


Patronato do SciCast:

Sua pequena contribuição ajuda o Portal Deviante a continuar divulgando Ciência!


Contatos:

Fale conosco! E não esqueça de deixar o seu comentário na postagem desse episódio!


Expediente:

Produção Geral: Tarik Fernandes e Fernando Malta

Equipe de Gravação: Tarik Fernandes, Marcelo de Matos, Flavia Ward, Werther Krohling, Gabriela Avelino, Izabella Pereira

Edição: TalknCast

Citação ABNT: Scicast #414: Costões Rochosos. Locução: Tarik Fernandes, Marcelo de Matos, Flavia Ward, Werther Krohling, Gabriela Avelino, Izabella Pereira. [S.l.] Portal Deviante, 15/01/2021. Podcast. Disponível em: https://www.deviante.com.br/podcasts/scicast-414/

Imagem de Capa: Jânio Garcia (PortfólioInstagram)


Referências e Indicações

Blanchette, Carol & Denny, M. & Engle, J.M. & Helmuth, Brian & Miller, L. & Nielsen, Karina & Smith, Jayson. (2016). Intertidal Ecosystems.

Underwood, A.J. & Chapman, M.G.. (2013). Intertidal Ecosystems. Encyclopedia of Biodiversity. 3. 485-500. 10.1016/B978-0-12-384719-5.00156-8.

Wright, Jeffrey & Gribben, Paul. (2017). Disturbance-mediated facilitation by an intertidal ecosystem engineer. Ecology. 98. 10.1002/ecy.1932.

Davoult, Dominique & Golléty, Claire. (2006). Metabolism of temperate rocky intertidal ecosystems. Oceanis. 32. 237-250.

Cronan, Christopher. (2018). Ecosystem Disturbance and Stress. 10.1007/978-3-319-66444-6_12.

Senga, Yukiko & Kobayashi, Wataru & Mikawa, Kasumi & Kitazawa, Toshiyuki & Lee, Seongwon & Shiraki, Yohei. (2020). Influences of green macroalgae blooms on nutrients and sulfide dynamics in hypereutrophic intertidal ecosystems. Limnology. 1-10. 10.1007/s10201-020-00644-w.

Thiébaut, Eric. (2006). Roles of abiotic and biotic factors on the sediment dynamics of intertidal ecosystems. 32. 145-161.

Wright, Jeffrey & Gribben, Paul. (2017). Disturbance-mediated facilitation by an intertidal ecosystem engineer. Ecology. 98. 10.1002/ecy.1932.

Jaksic, F.M.. (1986). Predator-prey interactions in terrestrial and intertidal ecosystems: Are differences real?. Rev. Chil. Hist Nat. 59. 9-17.

Connell, Joseph H. and Ralph O. Slatyer. “Mechanisms of succession in natural communities and their role in community stability and organization.” The American Naturalist 111 (982) (Nov. – Dec. 1977): 1119-1144.

Ricklefs, Robert E. The Economy of Nature. (New York, NY: W.H. Freeman and Co., 2008).

PEREIRA, Renato Crespo; SOARES-GOMES, Abílio. Biologia marinha. 2.ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Interciência, c2009. xxiv, 631 p. ISBN 978-85-7193-213-5

O hidrodinamismo também pode alterar fisicamente a estrutura do corpo de populações de uma mesma espécie

fatores físicos e biológicos atuando na zonação.

Efeitos hipotéticos da interação dos distúrbios de ação das ondas e da dessecação na riqueza de algas marinhas (linha pontilhada representa a variação da diversidade em função da variação dos distúrbios – linhas sólidas, destacando-se que em distúrbio intermediário a diversidade seria máxima)

563 episódios