O que a morte nos ensina sobre a vida?

 
Compartilhar
 

Fetch error

Hmmm there seems to be a problem fetching this series right now. Last successful fetch was on September 23, 2022 23:19 (1d ago)

What now? This series will be checked again in the next day. If you believe it should be working, please verify the publisher's feed link below is valid and includes actual episode links. You can contact support to request the feed be immediately fetched.

Manage episode 337051493 series 1416822
Por Trip FM descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Cientistas, religiosos, jornalistas e artistas contam como eles encaram um assunto ainda tão cercado de tabus Lidar com a morte e a fragilidade da vida faz parte da experiência de todos nós, mas esse ainda é um assunto delicado e cercado de tabus. Em uma semana em que perdemos personalidades como o humorista Jô Soares e o atleta e empresário João Paulo Diniz, o Trip FM reúne depoimentos de cientistas, religiosos, jornalistas e artistas contando como eles encaram a finitude. Wagner Moura, Marcos Mion, Alexandre Caldini e Júlia Rabello são alguns dos nomes que dividiram com a gente sua experiência com a morte no programa ao longo dos últimos anos. Confira alguns dos pensamentos abaixo eu escute o programa completo no Spotify. Alexandre Caldini, autor do livro "A Morte na Visão do Espiritismo" A gente não sabe lidar com a morte porque ela sumiu. Antigamente a funerária ficava no centro da cidade, com os caixões expostos na calçada, e as pessoas eram veladas dentro de casa. Isso acabou, a morte foi terceirizada. É como uma prova de matemática: se você não estudou, vai chegar com medo. Por isso é preciso estar preparado Júlia Rabello, atriz Se você conversa com a sua morte, se pensa que a finitude existe, começa a dar significado para o agora. É importante olhar para o tempo. Senão a gente fica anestesiado, entra numa rede social e quando viu passou uma hora. Lembrar que existe morte faz com que façamos boas escolhas no período que temos, e que a gente nunca sabe qual é Wagner Moura, ator A vida é estar em profunda conexão consigo mesmo para que a partir daí você possa se conectar com os outros de maneira honesta. São essas conexões são que dão sentido à vida. Hoje, nesse momento de tantas diferenças, eu sinto falta de estar mais aberto a essas conexões Marcos Mion, apresentador Chegar perto da morte e voltar dá um certo desespero, porque a sensação é nula: não traz dor, não traz nada, simplesmente é. Num acidente, não estar sentindo nada acaba sendo relaxante, mas eu não quis entregar os pontos, não

852 episódios