Sarah Oliveira e Roberta Martinelli: Música dá audiência sim

 
Compartilhar
 

Fetch error

Hmmm there seems to be a problem fetching this series right now. Last successful fetch was on September 23, 2022 23:19 (11d ago)

What now? This series will be checked again in the next day. If you believe it should be working, please verify the publisher's feed link below is valid and includes actual episode links. You can contact support to request the feed be immediately fetched.

Manage episode 301534399 series 1416822
Por Trip FM descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
As apresentadoras do podcast "Nós" falam sobre as canções que contam histórias, o machismo no jornalismo e o espaço da música na mídia À primeira vista, Sarah Oliveira e Roberta Martinelli dificilmente ocupariam o mesmo espaço: além de concorrentes – ambas são apresentadoras especializadas em música – as amigas são muito diferentes. Sarah, apesar da voz acelerada, é um tiquinho esotérica e relaxada, enquanto Roberta, que tem a fala mais calma, é preocupada e bastante ansiosa. Fato é que ambas, em suas diferenças, encontraram uma maneira de viver e trabalhar juntas, tendo lançado em maio deste ano o podcast Nós, uma produção original Spotify sobre relacionamentos, não importa se entre marido e mulher, pai e mãe, filho, irmã ou professor. No programa, cada uma entrevista um lado de uma história e, ao final, oferecem uma reflexão sobre o caso. Já está no ar, por exemplo, a narrativa de um casal de ex-evangélicos que deixou tabus para trás e fundou um dos maiores clubes de swing do Brasil. Para cada episódio há também, como não poderia deixar de ser, uma playlist. Roberta, uma profunda pesquisadora da música nacional, apresentadora e curadora dos programas Cultura Livre, na TV Cultura, e Som a Pino, na Rádio Eldorado, geralmente se encarrega de adicionar as canções brasileiras. "Aí a Sarah vem e coloca um grunge no meio", ri. Para quem não sabe, apesar de ser muito lembrada pelo pop Disk MTV e por entrevistas que fez com artistas com Britney Spears, Sarah sempre se definiu como roqueira. No papo com o Trip FM, as radialistas contam os bastidores do podcast, falam do machismo no jornalismo musical e discutem se ainda há espaço de destaque para a música na mídia. Ouça o programa no Spotify, no play nesta reportagem ou leia um trecho da entrevista a seguir. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2021/09/61311fdcc4779/sarah-oliveira-roberta-martnelli-apresentadoras-jornalistas-trip-mh.jpg; CREDITS=Ali Karakas / André Ligeiro / Editora Trip; LEGEND=Sarah Oliveira e Roberta Martinelli; ALT_TEXT=Sarah Oliveira e Roberta Martinelli] Trip. Parece que as portas abriram cedo para vocês e houve a possibilidade de ganhar um espaço. Eu quero saber se isso é verdadeiro ou se vocês também viveram barreiras importantes. Sarah Oliveira. Eu tive a sorte de começar em um lugar muito aberto, que era a MTV, com muitas diretoras mulheres como referência. Comecei com vinte anos e na marra precisava colocar um programa no ar, ao vivo. A emissora tinha essa característica de colocar a gente na fogueira. Mas eu era muito nova, não conseguia sacar muita coisa. Sempre fui muito respeitada pelos VJs. Pode ser que seja ingenuidade da minha parte, mas é minha memória afetiva. A MTV me desafiou a não ser uma leitora de TP. Depois disso fui sentir realidades diferentes. O rádio, por exemplo, é um ambiente extremamente masculino em que eu precisei me defender muito. Roberta Martinelli. Eu comecei criando o Cultura Livre. Não sabia o que era televisão e, por não saber do jogo real, fui muito briguenta e firme para manter o programa que acreditava. O Cultura Livre servia para mostrar uma música brasileira que estava acontecendo e não era tocada em muitos lugares. Sempre tentaram tirar a curadoria de mim e dar para um cara qualquer, que fosse conhecido. Lá ia eu conversar com a diretoria. Eu fui fazendo coisas que, hoje conhecendo como é a televisão, fico impressionada. Mas por isso eu acho que o Cultura Livre virou um lugar importante; briguei muito para isso. Mesmo como jornalista musical, quando eu ia a festivais a van era cheia de homens que ficavam me testando o tempo inteiro. Com o tempo essa van foi enchendo de mulheres. A música está caída na mídia? Está perdendo espaço? Roberta. Eu escuto que música não dá audiência desde que comecei. O Cultura Livre já está há dez anos no ar. Eu acho que depende do tipo de audiência que estamos falando. Obviamente seria insano comparar com o Big Brother ou com novela, por exemplo. Dentro da cultura brasileira, dá muita audiência, sim. O Som a Pino, por exemplo, aumentou muito os índices. O que não dá audiência é tocar as mesmas coisas achando que existe um padrão a se seguir. Se você toca as músicas que todo mundo sabe cantar e mistura com outras que as pessoas não conhecem, claro que vai dar mais audiência. Sarah. Já na MTV a gente ouvia que música não dava audiência. Eu tenho um programa na Eldorado que é o Minha Canção, com as músicas que fizeram história. Quando a música leva para um lugar de afeto ela tem um grande poder de ficar com você para sempre. Quando a música conta uma história, ela vai dar audiência. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2021/09/61312052d8a82/sarah-oliveira-roberta-martnelli-apresentadoras-jornalistas-trip-mq.jpg; CREDITS= Nadja Koucki; LEGEND=Sarah Oliveira e Roberta Martinelli; ALT_TEXT=Sarah Oliveira e Roberta Martinelli]

852 episódios