Morning Call: mercados operam em queda após promessa de antecipação de aumento de juros pelo FED

16:01
 
Compartilhar
 

Manage episode 295229153 series 2874304
Por Filipe Teixeira descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Os futuros em Wall Street e as ações europeias operam em queda firme, enquanto o dólar se fortaleceu à medida que o nervosismo sobre os aumentos das taxas de juros nos EUA se espalhou pelos mercados globais. Na Ásia, os mercados encerraram de forma mista.
Os contratos do S&P 500 vão caindo perto de 0,5%, enquanto o índice europeu Stoxx 600 cai pela primeira vez em 10 dias. Os mercados emergentes e as commodities também reagiram negativamente, enquanto as ações de bancos avançaram. O Bloomberg Dollar Spot Index subiu pelo quinto dia.
O presidente do Fed, Jerome Powell, finalmente reconheceu os riscos da inflação e disse que as autoridades começaram uma discussão sobre a redução das compras de títulos. O gráfico de pontos dos formuladores de políticas mostrou a antecipação de dois aumentos nas taxas até o final de 2023, um ritmo de aperto mais rápido que o anunciado nas últimas regiões, o que marcou um ponto de inflexão na comunicação do Fed aos mercados globais, que até então eram considerados ultra-dovish.
Enquanto Powell minimizou o risco de qualquer aumento imediato das taxas, alguns investidores interpretaram seus comentários como uma preparação dos mercados para uma inclinação forte e uma eventual correção dos preços. Seus comentários seguiram as últimas projeções do Fed, que incluíam revisões em alta de suas perspectivas para a inflação e as taxas de juros.
O cobre caiu 2% em Londres, para o menor valor em dois meses. A recuperação dos metais estagnou nas últimas semanas e o cobre recuou em relação ao recorde do mês passado, já que as preocupações com as pressões de custo estimularam as expectativas de que o estímulo que vinha apoiando a recuperação global seria reduzido.
Por aqui, a escalada mais recente da inflação fez o Banco Central elevar, pela terceira vez consecutiva, a taxa básica de juros. A decisão anunciada nesta quarta-feira, 16, pelo Comitê de Política Monetária (Copom) foi de uma alta de 0,75 ponto porcentual, levando a Selic de 3,50% para 4,25% ao ano. Com isso, os juros no País retornaram ao patamar de fevereiro de 2020 – antes da pandemia de covid-19.
Além de elevar a Selic, o BC sinalizou que pretende fazer um novo aumento de 0,75 ponto porcentual no próximo encontro do Copom, marcado para 3 e 4 de agosto. Alguns economistas do mercado financeiro, porém, veem a possibilidade de uma alta de até 1 ponto porcentual em agosto, caso a inflação não dê trégua até lá. O BC também passou indicações de que o atual ciclo de alta tende a colocar a Selic em patamar mais elevado do que o previsto inicialmente.
A média diária de mortes provocadas pela covid-19 no Brasil voltou a ficar acima de dois mil após 37 dias, segundo dados reunidos e divulgados nesta quarta-feira, 16, pelo consórcio de veículos de imprensa. O número ficou em 2.007, o maior desde 10 de maio, quando o dado estava em 2.087. Segundo especialistas, o ritmo insuficiente da vacinação, aliado ao relaxamento precoce das medidas de distanciamento social, contribuem para o País ter uma nova alta de infectados.
Nas últimas 24 horas, o País registrou 2.673 novos óbitos pela doença, o que fez o total chegar a 493.837, segunda maior quantidade do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.
Support the show (http://wisir.com.br/planos)

448 episódios