Artwork

Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

Você realmente conhece Maria Fernanda Cândido?

 
Compartilhar
 

Manage episode 410903011 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Da França, onde vive, a atriz falou sobre casamento, capitalismo, a amizade entre os presidentes Lula e Macron e terapia ocupacional Maria Fernanda Cândido se prepara para estrear, no dia 11 de abril, o filme “A Paixão Segundo G.H.”, longa-metragem baseado no livro da escritora Clarice Lispector e dirigido por Luiz Fernando Carvalho. A obra se passa no Rio de Janeiro de 1964 e narra a jornada de uma escultora que questiona sua identidade e algumas convenções sociais que aprisionam o feminino. “Na arte, a gente transforma vidas de uma maneira sutil. Saúde e arte correm muito perto uma da outra”, diz ela no papo com o Trip FM. Formada também em terapia ocupacional, Maria Fernanda tem propriedade para discorrer sobre intervenções que mudam a vida das pessoas. Como terapeuta, ela garante que o que aprendeu nessa profissão ainda tem muita influência em sua vida. "Nossa concepção de saúde é muito utilitária: ou está curado, ou está doente. Aprendi a lidar com o conceito de melhora. Às vezes, uma pequena melhora pode representar muito em uma vida.” Diretamente de Paris, na França, onde vive há cerca de seis anos, a atriz falou ainda sobre casamento, sua experiência como a única mulher em um grupo de empreendedores que fundou a Casa do Saber e como é criar filhos adolescentes. Ela também refletiu sobre temas como capitalismo e a amizade entre Lula e Macron, o presidente da França. O programa está disponível aqui no site da Trip (é só dar o play) e no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2024/04/6610305156482/maria-fernanda-candido-atriz-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Patricia Soransso (@patriciasoransso); LEGEND=Maria Fernanda Candido; ALT_TEXT=Maria Fernanda Candido] Trip. Neste tempo em que você esteve em Paris, já deu para entender o francês? Maria Fernanda Cândido. Deu. Seis anos já é um tempo legal, mas para mim é um esforço. Eu ainda preciso fazer um esforço para estar dentro desta cultura. Meus filhos não, eles têm o chip brasileiro e francês. Eu só tenho o brasileiro. Nós somos acolhedores, temos a disposição para o encontro, menos medo do diferente. É muito inexplicável e emocionante ser brasileira. Eu amo ser brasileira e comecei a entender melhor a minha brasilidade estando fora do meu país. Quando você perde o seu dia a dia, aí passa a dar muito mais valor. Como ser formada em terapia ocupacional influenciou a sua carreira? Nossa ideia de saúde é muito utilitária: ou está curado, ou está doente, mas como terapeuta ocupacional aprendi a lidar com o conceito de melhora. Às vezes, uma melhora pequena pode representar muito em uma vida. Esse fascínio pelo outro eu carrego nas artes, porque a gente também transforma vidas de uma maneira sutil. Saúde e arte correm muito perto uma da outra. A teoria dos setênios vê os 49 anos como um momento muito especial. Como você está vivendo esta idade? Aos 49 anos foi a primeira vez que consegui parar, olhar para trás e pensar: caramba, eu tenho uma história. Aos 20 você não tem nada para ver lá atrás; aos 30 eu estava criando meus filhos, alimentando, ensinando a andar, também não dava para fazer esse exercício. Hoje, assisto o meu filme e é bonito, dá uma sensação de uma passagem por aqui. Mas ainda tenho muito para continuar, tenho muita sede. Como alguém que sempre foi conhecida pela beleza lida com a passagem do tempo? Dá uma tristeza, sim, olhar para aquela foto de 25 anos. Aquela pessoa já não existe para mais ninguém, nem para mim, nem para o público. É preciso ter uma aceitação, tudo muda, mas também tem a minha história toda. Eu quero fazer a trajetória, eu quero percorrer o caminho. Estando aí, acha que o consumismo atingiu menos os países europeus? O consumo invadiu todas as áreas da vida. Consumir bens é uma coisa, mas quando a gente vê que educação e saúde viraram mercadorias é mais complicado. Tudo virou produto, esse mundo está em um esgotamento. Você não quer se sentir cliente em uma escola, a gente quer que os princípios estejam acima disso. Ter um parceiro de outra nacionalidade, com outros costumes e cultura, pode gerar dificuldades. Concorda? Sim, muitas dificuldades. Em um casamento longo, às vezes é preciso viver com um desconforto, mas ficar com esse desconforto pode ser uma bela aventura, de descoberta, aceitação e criação de parceria. A minha amizade com meu marido cresceu, isso não caiu no nosso colo do nada, a gente lutou para chegar aqui. É terapia para todo lado aqui em casa, a gente trabalha muito. É uma característica importante da nossa família.
  continue reading

914 episódios

Artwork

Você realmente conhece Maria Fernanda Cândido?

Trip FM

1,721 subscribers

published

iconCompartilhar
 
Manage episode 410903011 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Da França, onde vive, a atriz falou sobre casamento, capitalismo, a amizade entre os presidentes Lula e Macron e terapia ocupacional Maria Fernanda Cândido se prepara para estrear, no dia 11 de abril, o filme “A Paixão Segundo G.H.”, longa-metragem baseado no livro da escritora Clarice Lispector e dirigido por Luiz Fernando Carvalho. A obra se passa no Rio de Janeiro de 1964 e narra a jornada de uma escultora que questiona sua identidade e algumas convenções sociais que aprisionam o feminino. “Na arte, a gente transforma vidas de uma maneira sutil. Saúde e arte correm muito perto uma da outra”, diz ela no papo com o Trip FM. Formada também em terapia ocupacional, Maria Fernanda tem propriedade para discorrer sobre intervenções que mudam a vida das pessoas. Como terapeuta, ela garante que o que aprendeu nessa profissão ainda tem muita influência em sua vida. "Nossa concepção de saúde é muito utilitária: ou está curado, ou está doente. Aprendi a lidar com o conceito de melhora. Às vezes, uma pequena melhora pode representar muito em uma vida.” Diretamente de Paris, na França, onde vive há cerca de seis anos, a atriz falou ainda sobre casamento, sua experiência como a única mulher em um grupo de empreendedores que fundou a Casa do Saber e como é criar filhos adolescentes. Ela também refletiu sobre temas como capitalismo e a amizade entre Lula e Macron, o presidente da França. O programa está disponível aqui no site da Trip (é só dar o play) e no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2024/04/6610305156482/maria-fernanda-candido-atriz-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Patricia Soransso (@patriciasoransso); LEGEND=Maria Fernanda Candido; ALT_TEXT=Maria Fernanda Candido] Trip. Neste tempo em que você esteve em Paris, já deu para entender o francês? Maria Fernanda Cândido. Deu. Seis anos já é um tempo legal, mas para mim é um esforço. Eu ainda preciso fazer um esforço para estar dentro desta cultura. Meus filhos não, eles têm o chip brasileiro e francês. Eu só tenho o brasileiro. Nós somos acolhedores, temos a disposição para o encontro, menos medo do diferente. É muito inexplicável e emocionante ser brasileira. Eu amo ser brasileira e comecei a entender melhor a minha brasilidade estando fora do meu país. Quando você perde o seu dia a dia, aí passa a dar muito mais valor. Como ser formada em terapia ocupacional influenciou a sua carreira? Nossa ideia de saúde é muito utilitária: ou está curado, ou está doente, mas como terapeuta ocupacional aprendi a lidar com o conceito de melhora. Às vezes, uma melhora pequena pode representar muito em uma vida. Esse fascínio pelo outro eu carrego nas artes, porque a gente também transforma vidas de uma maneira sutil. Saúde e arte correm muito perto uma da outra. A teoria dos setênios vê os 49 anos como um momento muito especial. Como você está vivendo esta idade? Aos 49 anos foi a primeira vez que consegui parar, olhar para trás e pensar: caramba, eu tenho uma história. Aos 20 você não tem nada para ver lá atrás; aos 30 eu estava criando meus filhos, alimentando, ensinando a andar, também não dava para fazer esse exercício. Hoje, assisto o meu filme e é bonito, dá uma sensação de uma passagem por aqui. Mas ainda tenho muito para continuar, tenho muita sede. Como alguém que sempre foi conhecida pela beleza lida com a passagem do tempo? Dá uma tristeza, sim, olhar para aquela foto de 25 anos. Aquela pessoa já não existe para mais ninguém, nem para mim, nem para o público. É preciso ter uma aceitação, tudo muda, mas também tem a minha história toda. Eu quero fazer a trajetória, eu quero percorrer o caminho. Estando aí, acha que o consumismo atingiu menos os países europeus? O consumo invadiu todas as áreas da vida. Consumir bens é uma coisa, mas quando a gente vê que educação e saúde viraram mercadorias é mais complicado. Tudo virou produto, esse mundo está em um esgotamento. Você não quer se sentir cliente em uma escola, a gente quer que os princípios estejam acima disso. Ter um parceiro de outra nacionalidade, com outros costumes e cultura, pode gerar dificuldades. Concorda? Sim, muitas dificuldades. Em um casamento longo, às vezes é preciso viver com um desconforto, mas ficar com esse desconforto pode ser uma bela aventura, de descoberta, aceitação e criação de parceria. A minha amizade com meu marido cresceu, isso não caiu no nosso colo do nada, a gente lutou para chegar aqui. É terapia para todo lado aqui em casa, a gente trabalha muito. É uma característica importante da nossa família.
  continue reading

914 episódios

Todos os episódios

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências