Marcella ☉☽ @sementeviva público
[search 0]
Mais

Download the App!

show episodes
 
Tenho perguntado pras amizades se, em meio à quarentena, têm lido poesia. Sei que parece que o tempo não cabe no dia ou no peito e que poesia é alienante mas é justamente o contrário. Não é dar flores para os inimigos, é dar novas armas para os amigos. Poesia é ponta de lança. Se Ailton Krenak cita Drummond pra adiar o fim do mundo, quem sou eu pra ignorar Krenak ou Drummond? Isso tudo é pra mostrar como enche de ar e vida a poesia. Ouçam o que Marcella tem a dizer pois só uma poeta da sua g ...
 
Loading …
show series
 
Um dia, os intelectuais apolíticos do meu país serão interrogados pelo homem simples do nosso povo Serão perguntados sobre o que fizeram quando a pátria se apagava lentamente, como uma fogueira frágil, pequena e só. Não serão interrogados sobre os seus trajes, nem acerca das suas longas siestas após o almoço, tão pouco sobre os seus estéreis combat…
 
Mergulhar a palavra suja em água sanitária.depois de dois dias de molho, quarar ao sol do meio dia.Algumas palavras quando alvejadas ao soladquirem consistência de certeza. Por exemplo a palavra vida.Existem outras, e a palavra amor é uma delas,que são muito encardidas pelo uso, o que recomenda esfregar e bater insistentemente na pedra, depois enxa…
 
Ontem meu peito chorava.Hoje, não.Também cansa a desventura.Também o sol gasta o chão.Estava ontem sozinha,tendo a meu lado, sombria,minha própria companhia.Hoje, não.Morreu de tanto morrera pena que tanto vivia.Morreu de tanto esperar.Eu não.Relógios do tempo andarammarcando o tempo em meu rosto.A vida perdeu seu tempo.Eu não.Também cansa a desven…
 
Uma gota de leiteme escorre entre os seios.Uma mancha de sangueme enfeita entre as pernasMeia palavra mordidame foge da boca.Vagos desejos insinuam esperanças.Eu-mulher em rios vermelhosinauguro a vida.Em baixa vozviolento os tímpanos do mundo.Antevejo.Antecipo.Antes-vivoAntes – agora – o que há de vir.Eu fêmea-matriz.Eu força-motriz.Eu-mulherabrig…
 
Como alguém que chega com uma carta importante ao guichê depois das horas regulamentares: o guichê já está fechado.Como alguém que quer advertir a cidade de um inundação: mas fala uma outra língua. Não o compreendem.Como um mendigo que pela quinta vez bate a uma porta onde já recebeu esmola quatro vezes: ele tem fome pela quinta vez.Como alguém cuj…
 
Homem branco chegou aquiE me perguntou:Quanto custa essa terraSó falar que eu te douMas eu não entendiÍndio não entendeMinha terra é minha mãeE a mãe não se vendeEu agradeço a mensagem cálida, mas cara pálidaSua proposta não é válidaA vida não é propriedade de quem vence a guerraA terra não pertence ao ser humanoO ser humano é que pertence a terraE…
 
Que pode uma criatura senãoEntre criaturas, amar?Amar e esquecer, amar e malamarAmar, desamar, amar?Sempre, e até de olhos vidrados, amar?Que pode, pergunto, o ser amorosoSozinho, em rotação universal, senãoRodar também, e amar?Amar o que o mar traz à praiaO que ele sepulta, e o que, na brisa marinhaÉ sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?Amar…
 
Se te pareço noturna e imperfeitaOlha-me de novo.Porque esta noiteOlhei-me a mim, como se tu me olhasses.E era como se a águaDesejasseEscapar de sua casa que é o rioE deslizando apenas, nem tocar a margem.Te olhei. E há um tempoEntendo que sou terra. Há tanto tempoEsperoQue o teu corpo de água mais fraternoSe estenda sobre o meu. Pastor e nautaOlha…
 
Se te pareço ausente, não creias:hora a hora minha dor agarra-se aos teus braços,hora a hora meu desejo revolve teus escombros,e escorrem dos meus olhos mais promessas.Não acredites nesse breve sono;não dês valor maior ao meu silêncio;e se leres recados numa folha branca,Não creias também: é preciso encostarteus lábios nos meus lábios para ouvir.Ne…
 
meu deusnão espera dentro da igrejaou na escadaria do templomeu deusé o fôlego da refugiada que correé a barriga da criança com fomeé o batimento no peito do protestomeu deusnão descansa entre as páginasescritas por homens sábiosmeu deusmora entre as coxas suadasdas mulheres vendidas por dinheirofoi visto pela última vez lavando os pés de um mendig…
 
tá tudo bem se você achar que agora ainda não é a hora eu só queria que você lembrasse que as coisas passam que as horas passam sejam contadas através do calendário gregoriano ou pelo tempo que permanecemos nos encarando sem piscar os dias marés as dores e a graça passam também as histórias passam as carreatas com políticos falidos passam a moda a …
 
Quando eu mordera palavra,por favor,não me apressem,quero mascar,rasgar entre os dentes,a pele, os ossos, o tutanodo verbo,para assim versejaro âmago das coisas.Quando meu olharse perder no nada,por favor,não me despertem,quero reter,no adentro da íris,a menor sombra,do ínfimo movimento.Quando meus pésabrandarem na marcha,por favor,não me forcem.Ca…
 
A terra é um bem comumQue pertence a cada um.Com o seu poder além,Deus fez a grande NaturaMas não passou escrituraDa terra para ninguém.Se a terra foi Deus quem fez,Se é obra da criação,Deve cada camponêsTer uma faixa de chão.Quando um agregado soltaO seu grito de revolta,Tem razão de reclamar.Não há maior padecerDo que um camponês viverSem terra p…
 
eu era gases puro, ar, espaço vazio, tempoeu era ar, espaço vazio, tempoe gazes puro, assim, ó, espaço vazio, óeu não tinha formaçãonão tinha formaturanão tinha onde fazer cabeçafazer braço, fazer corpofazer orelha, fazer narizfazer céu da boca, fazer falatóriofazer músculo, fazer denteeu não tinha onde fazer nada dessas coisasfazer cabeça, pensar …
 
O espelho me mostra uma imagem que construo Dessa carcaça que peguei emprestada Vou devolver com a etiqueta de frágil rasgadaE cheia de marcas Não vieram instruções na embalagem Investigo e uso à vontade Antes que seja tarde O que o espelho não mostra As vezes consigo ver As vezes não As vezes veem As vezes criam As vezes some O que o espel…
 
Gloria Anzaldua em “Falando em línguas: uma carta para mulheres escritoras do terceiro mundo” “(...) Por que sou levada a escrever? Porque a escrita me salva da complacência que me amedronta. Porque não tenho escolha. Porque devo manter vivo o espírito de minha revolta e a mim mesma também. Porque o mundo que crio na escrita compensa o que o mundo …
 
Para descrever as nuvensmuito teria de apressar-me,pois numa fracção de segundodeixam de ser estas e começam a ser outras.É sua propriedadenão se repetirnas formas, tonalidades, poses e configurações.Sem o peso de qualquer lembrança,pairam sem dificuldade sobre os factos.Mas nem testemunha-los podem,pois logo se dissipam em todas as direcções.Compa…
 
Eu queria te dizer uma porção de coisas, de uma porção de noites, ou tardes, ou manhãs, não importa a cor, é, a cor, o tempo é só uma questão de cor não é? Pois isso não importa, eu queria era te dizer dessas vezes em que eu te deixava e depois saía sozinho, pensando numa porção de coisas que eu não ia te dizer, porque existem coisas terríveis que …
 
Não te rendas, ainda estás a tempode alcançar e começar de novo,aceitar as tuas sombrasenterrar os teus medos,largar o lastro,retomar o voo.Não te rendas que a vida é isso,continuar a viagem,perseguir os teus sonhos,destravar os tempos,arrumar os escombros,e destapar o céu.Não te rendas, por favor, não cedas,ainda que o frio queime,ainda que o medo…
 
Sempre coloco minha bucetano meio das árvorescomo uma cachoeiracomo uma porta de entrada para Deuscomo um bando de pássaros.Sempre coloco a buceta da minha amantena cristade uma ondacomo uma bandeiraque possojurarminha fidelidade.Este é meupaís. Aqui,quando estamos sozinhas,em público.A buceta da minha amanteé um distintivoé um casseteteé um capace…
 
Como um bebêEu haveria de passar pelos diasSentir cócegas nos ossos Não enxergar a tradução dos letreirosSubir as escadas pelos olhos dos outros Engatinhando para apanhar o frasco de aspirinasOs ansiolíticosVomitar no álbum de lembranças que não são minhasEsperar que cresçam as unhas nas pontas dos dedosE arranhar as gengivasBrincar com as pernas n…
 
A arte de perder não é nenhum mistério;Tantas coisas contêm em si o acidenteDe perdê-las, que perder não é nada sério.Perca um pouquinho a cada dia. Aceite, austero,A chave perdida, a hora gasta bestamente.A arte de perder não é nenhum mistério.Depois perca mais rápido, com mais critério:Lugares, nomes, a escala subseqüenteDa viagem não feita. Nada…
 
Eu queria, algum dia, habitar o espaço onde minhas memórias estão guardadasEu queria entrar nesse lugar onde minhas experiências dançam juntas e pairam no ar Queria acessar a imensa biblioteca dos livro que liOlhar a tela onde passa o compilado de tudo que vi Eu queria enterrar meus pés na mistura dos solos em que já piseiMergulhar no oceano das ág…
 
Abri curiosao céu.Assim, afastando de leve as cortinas.Eu queria entrar,coração ante coração,inteiriçaou pelo menos mover-me um pouco,com aquela parcimônia que caracterizavaas agitações me chamandoEu queria até mesmosaber ver,e num movimento redondocomo as ondasque me circundavam, invisíveis,abraçar com as retinascada pedacinho de matéria viva.Eu q…
 
Navego-me eu–mulher e não temo,sei da falsa maciez das águase quando o receiome busca, não temo o medo,sei que posso me deslizarnas pedras e me sair ilesa,com o corpo marcado pelo olorda lama.Abraso-me eu-mulher e não temo,sei do inebriante calor da queimae quando o temorme visita, não temo o receio,sei que posso me lançar ao fogoe da fogueira me s…
 
O que se odeia no índionão é apenas o ocupado espaço.O que se odeia no índioé o puro animal que nele habita,é a sua cor em bronze arquitetada.A precisão com que a flecha voae abate a caça; o gesto largocom que abraça o rio; o gosto deafagar as penas e tecer o cocar;O que se odeia no índioé o andar sem ruído; a prestezasegura de cada movimento; a eu…
 
Não, não é uma série de pontos de exclamação- é uma avenida de álamos...E o que, e para quem, clamariam então?!Deserta está a cidade.Todas as avenidas, todas as ruas, todas as estradas, atônitasse perguntam se vêm ou se vão...Em nada lhes poderiam servir esses postes de quilometragem:estão apenas desenhados, como num mapa.Ah, se houvesse uns passos…
 
Tenho um livro sobre águas e meninos.Gostei mais de um menino que carregava água na peneira.A mãe disse que carregar água na peneira era o mesmo que roubar um ventoe sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.A mãe disse que era o mesmo que catar espinhos na águaO mesmo que criar peixes no bolso.O menino era ligado em despropósitos.Quis montar o…
 
Se te olho no fundos olhos É porque estou aqui Em alma, corpo, espírito e vontade Entrego minha presença a tuaNua, e vazia de expectativasNão precisas permanecer teu olhar no meu se não sentirEu sei que ele as vezes é forte demaisMas não me peça pra ser menosNão me diga que poderia ser maisNão compare nossos corposNão saia correndoOu morra de medo …
 
Quando eu não sei onde guardei um papel importante e a procura revela-se inútil, pergunto-me: se eu fosse eu e tivesse um papel importante para guardar, que lugar escolheria? Às vezes dá certo. Mas muitas vezes fico tão pressionada pela frase "se eu fosse eu", que a procura do papel se torna secundária, e começo a pensar, diria melhor SENTIR.E não …
 
O Deus da parecençaque nos costura em igualdadeque nos papel-carbonizaem sentimentoque nos pluralizaque nos banalizapor baixo e por dentro,foi este Deus que deudestino aos meus versos,Foi Ele quem arrancou delesa roupa de indivíduoe deu-lhes outra de indivíduoainda maior, embora mais justa.Me assusta e acalmaser portadora de várias almasde um só so…
 
Madrugada camponesa faz escuro ainda no chão mas é preciso plantar. A noite já foi mais noite, a manhã já vai chegar. Não vale mais a canção feita de medo e arremedo para enganar a solidão. Agora vale a verdade cantada simples e sempre, agora vale a alegria que se constrói dia a dia feita de canto e de pão. Breve há de ser (sinto no ar) tempo de tr…
 
"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos docesEstendendo-me os braços, e segurosDe que seria bom que eu os ouvisseQuando me dizem: "vem por aqui!"Eu olho-os com olhos lassos,(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)E cruzo os braços,E nunca vou por ali...A minha glória é esta:Criar desumanidades!Não acompanhar ninguém.— Que eu vivo com o mesmo …
 
Contigo, companheiro que chegaste,desconhecido irmão de minha vida,reparto esta esmeralda que retiveem meu peito no instante fugitivomas infinito em que se acaba a infância,porque a esmeralda não se acaba nunca.Reparto, companheiro, porque chegasa este caminho longo e luminosomas que também se faz áspero e duro,onde as nossas origens se abraçaramdi…
 
O homem, bicho da terra tão pequeno Chateia-se na terra Lugar de muita miséria e pouca diversão, Faz um foguete, uma cápsula, um módulo Toca para a lua Desce cauteloso na lua Pisa na lua Planta bandeirola na lua Experimenta a lua Coloniza a lua Civiliza a lua Humaniza a lua. Lua humanizada: tão igual à terra. O homem chateia-se na lua. Vamos para m…
 
Em primeiro lugar, não se desespere e em caso de agitação não siga as regras que o furacão quererá lhe impor.Refugie-se em casa e feche as trancas quando todos os seus estiverem a salvo.Compartilhe o mate e a conversa com os companheiros, os beijos furtivos e as noites clandestinas com quem lhe assegure ternura.Não deixe que a estupidez se imponha.…
 
Loading …

Guia rápido de referências

Google login Twitter login Classic login