O antes e o depois do tecnobrega, com Gaby Amarantos

36:41
 
Compartilhar
 

Manage episode 301915628 series 2504067
Por Editoria de Podcasts and Folha de S.Paulo descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Quem ligasse a televisão em 2012 para assistir à MTV ou para ver a novela "Cheias de Charme" provavelmente escutaria "Ex Mai Love", uma das músicas que colocou Gaby Amarantos no mapa da música. A cantora já era conhecida no Pará há alguns anos nessa época, mas chegava a um novo patamar com o lançamento do primeiro disco, o “Treme”, que levou o tecnobrega no mainstream.

Nove anos depois do seu álbum de estreia, Gaby Amarantos lança o segundo disco da carreira. “Purakê”, que saiu na última semana, traz uma nova visão para a música do Pará --agora, a madrinha do tecnobrega imagina uma Amazônia futurista e propõe um pop que tem raízes no ritmo paraense, mas não se limita a ele.

O Expresso Ilustrada dessa semana entrevista Gaby Amarantos, que fala sobre o novo disco, retoma a história do tecnobrega, das aparelhagens e do modelo de distribuição da música periférica e também comenta sobre a política brasileira hoje.

“A Gaby do ‘Treme’ tinha uma missão de mostrar essa música que a periferia da Amazônia estava produzindo”, diz ela. “Ninguém sabia o que era tecnobrega, ninguém sabia o que era uma festa de aparelhagem. A gente precisava falar muito desse tema para as pessoas poderem entender. Então por isso que ‘Treme’ era quase todo tecnobrega.”

See omnystudio.com/listener for privacy information.

138 episódios