Artwork

Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

Maeve Jinkings: Vulnerabilidade é potência

 
Compartilhar
 

Manage episode 388382311 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Com vontade de interpretar até os 125 anos, a atriz olha para dentro para criar protagonistas complexas, virtuosas, malvadas e imperfeitas “Nos momentos de glória eu preciso fazer um esforço muito grande, porque sei que estou sujeita a me deixar embriagar por essa coisa ilusória que é o sucesso”, diz a atriz Maeve Jinkings. “Tenho muito medo de me perder de mim e, ao mesmo tempo, sei que a minha maior riqueza é a capacidade de me aproximar da minha humanidade e das pessoas”. Brasiliense de nascimento, paraense de criação e recifense de coração, a atriz invadiu o cinema nacional com sua energia poderosa há mais de uma década, quando interpretou uma dona de casa solitária no filme “O Som ao Redor” (2012), dirigido por Kleber Mendonça Filho. Desde então, Maeve se joga sem medo em papéis intensos e envolventes no cinema – ela está em cartaz com o longa “Pedágio” – e em séries como “Os Outros” e “DNA do Crime”. “Eu busco personagens femininas complexas, virtuosas, malvadas, com imperfeições”, diz. Maeve tem muito a dizer – e por isso esta é apenas a primeira parte de uma conversa potente da atriz com o Trip FM. Ela respondeu perguntas dos colegas Thomás Aquino, Leticia Colin, Andréia Horta e Camila Márdila, falou sobre vida, morte, máscaras sociais e muito mais. O programa está disponível no play acima e no Spotify. A segunda parte da conversa você confere aqui. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2023/12/65739a1ce1006/1006x1006x960x540x20x176/whatsapp-image-2023-12-08-at-40855-pm.jpeg?t=1702074935785; CREDITS=Gil Inoue; LEGEND=; ALT_TEXT=] Trip. Nesses anos todos de entrevista a gente percebe que quem lida melhor com a fama é quem tem apoio da família, dos amigos, e também uma riqueza interior. Você concorda? Maeve Jinkings. Nos momentos de glória eu preciso fazer um esforço muito grande, porque sei que estou sujeita a me deixar embriagar por essa coisa ilusória que é o sucesso. Tenho muito medo disso, porque sei quão tóxico pode ser. Tenho muito medo de me perder de mim e sei que, ao mesmo tempo, a minha maior riqueza é a capacidade de me aproximar da minha humanidade e das pessoas. Para isso preciso me aterrar, entender as minhas vulnerabilidades, os meus medos. Nos meus momentos de maior fragilidade e de necessidade de maior força, a consciência da nossa finitude, do quão pequeno a gente é, me ajuda a simplificar a vida e me acalma. E em relação aos amigos? Eu brinco com eles e falo: “Gente, se eu enlouquecer, manda uma cartinha”. A gente vive num mundo que às vezes é tão hiper elogioso. É claro, tem os haters, mas eu sinto falta de ter um feedback. Eu amo ser amada, sem demagogia, mas não sinto necessidade que as pessoas amem tudo o que eu faço. Tenho um desejo, uma curiosidade sobre a verdade das pessoas. Fico com medo de me perder das pessoas nesse mundo em que qualquer coisa a gente levanta, bate palma de pé, mas quando se afasta fala: “Foi mais ou menos, né?”.
  continue reading

911 episódios

Artwork

Maeve Jinkings: Vulnerabilidade é potência

Trip FM

1,701 subscribers

published

iconCompartilhar
 
Manage episode 388382311 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Com vontade de interpretar até os 125 anos, a atriz olha para dentro para criar protagonistas complexas, virtuosas, malvadas e imperfeitas “Nos momentos de glória eu preciso fazer um esforço muito grande, porque sei que estou sujeita a me deixar embriagar por essa coisa ilusória que é o sucesso”, diz a atriz Maeve Jinkings. “Tenho muito medo de me perder de mim e, ao mesmo tempo, sei que a minha maior riqueza é a capacidade de me aproximar da minha humanidade e das pessoas”. Brasiliense de nascimento, paraense de criação e recifense de coração, a atriz invadiu o cinema nacional com sua energia poderosa há mais de uma década, quando interpretou uma dona de casa solitária no filme “O Som ao Redor” (2012), dirigido por Kleber Mendonça Filho. Desde então, Maeve se joga sem medo em papéis intensos e envolventes no cinema – ela está em cartaz com o longa “Pedágio” – e em séries como “Os Outros” e “DNA do Crime”. “Eu busco personagens femininas complexas, virtuosas, malvadas, com imperfeições”, diz. Maeve tem muito a dizer – e por isso esta é apenas a primeira parte de uma conversa potente da atriz com o Trip FM. Ela respondeu perguntas dos colegas Thomás Aquino, Leticia Colin, Andréia Horta e Camila Márdila, falou sobre vida, morte, máscaras sociais e muito mais. O programa está disponível no play acima e no Spotify. A segunda parte da conversa você confere aqui. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2023/12/65739a1ce1006/1006x1006x960x540x20x176/whatsapp-image-2023-12-08-at-40855-pm.jpeg?t=1702074935785; CREDITS=Gil Inoue; LEGEND=; ALT_TEXT=] Trip. Nesses anos todos de entrevista a gente percebe que quem lida melhor com a fama é quem tem apoio da família, dos amigos, e também uma riqueza interior. Você concorda? Maeve Jinkings. Nos momentos de glória eu preciso fazer um esforço muito grande, porque sei que estou sujeita a me deixar embriagar por essa coisa ilusória que é o sucesso. Tenho muito medo disso, porque sei quão tóxico pode ser. Tenho muito medo de me perder de mim e sei que, ao mesmo tempo, a minha maior riqueza é a capacidade de me aproximar da minha humanidade e das pessoas. Para isso preciso me aterrar, entender as minhas vulnerabilidades, os meus medos. Nos meus momentos de maior fragilidade e de necessidade de maior força, a consciência da nossa finitude, do quão pequeno a gente é, me ajuda a simplificar a vida e me acalma. E em relação aos amigos? Eu brinco com eles e falo: “Gente, se eu enlouquecer, manda uma cartinha”. A gente vive num mundo que às vezes é tão hiper elogioso. É claro, tem os haters, mas eu sinto falta de ter um feedback. Eu amo ser amada, sem demagogia, mas não sinto necessidade que as pessoas amem tudo o que eu faço. Tenho um desejo, uma curiosidade sobre a verdade das pessoas. Fico com medo de me perder das pessoas nesse mundo em que qualquer coisa a gente levanta, bate palma de pé, mas quando se afasta fala: “Foi mais ou menos, né?”.
  continue reading

911 episódios

Усі епізоди

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências