Crypto Storm #108: como o bitcoin pode ser uma proteção contra a crescente inflação?

40:59
 
Compartilhar
 

Manage episode 307022889 series 2625638
Por Money Times descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.

Nesta edição do podcast Crypto Storm, Lucca Benedetti e Valter Alencar apresentam Narriman, a nova integrante da equipe de inteligência cripto da Empiricus e do podcast. Em seguida, os apresentadores introduzem o tema do episódio, que são os principais acontecimentos da semana no mundo cripto, que trouxe novas máximas históricas e correções, além do cenário macroeconômico de inflação e como isso influencia o bitcoin (BTC) e os investidores.

Na sequência, Valter comenta sobre para onde vão os investimentos quando há uma alta inflacionária. Segundo ele, quando o dinheiro perde o valor, os investimentos podem migrar para os que são corrigidos de acordo com a inflação, como papéis do tesouro indexados ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ou a ativos, como imóveis ou ouro, ou ainda, como tem acontecido na última década, aos criptoativos, em especial o bitcoin. O apresentador lembra de grandes investidores, como Paul Tudor Jones, gestor de fundos de hedge, e Michael Saylor, CEO da MicroStrategy, que apostaram na maior criptomoeda do mundo como reserva de valor e proteção contra a inflação.

Em seguida, Lucca complementa ressaltando que a principal diferença entre o ouro e o bitcoin está na forma de transacionar o ativo. Para o primeiro, é preciso ter o ativo físico e o processo para transacioná-lo irá despender muito esforço e dinheiro. Enquanto que, para o segundo, a transação pode ser feita a partir de um celular, de modo muito mais simples, com taxas não tão altas, e o ativo chegará ao destinatário dentro de um período de horas.

Os apresentadores, na sequência, mencionam o cenário de inflação em grandes economias mundiais, como Estados Unidos e China, cujos dados mostram um cenário preocupante. De acordo com Valter, o Federal Reserve afirmou que está em “águas desconhecidas” no momento atual, em relação a empregos e demanda de abastecimento nos EUA.

Nessa semana, após a divulgação de dados da inflação americana, o preço do bitcoin subiu, devido ao aumento da procura pela criptomoeda como reserva de valor. O BTC chegou a uma nova máxima histórica, atingindo US$ 69 mil por um breve período. Porém, momentos depois, o preço da moeda caiu, devido a liquidações de contratos. Neste momento, o BTC está sendo negociado a US$ 63.570.

Lucca ressalta que o objetivo do bitcoin como proteção contra a inflação era uma das intenções do criador anônimo da moeda, Satoshi Nakamoto. Para o criador do BTC, as moedas deveriam ser independentes de um órgão centralizador, como banco central, a fim de serem protegidas contra a inflação.

Os apresentadores comentam que as moedas fiduciárias podem ter data de validade. Isso impulsionaria as nações a adotarem criptomoedas, como é o caso de El Salvador, que aderiu ao bitcoin como moeda corrente, em 7 de setembro deste ano. Para Lucca, o modelo econômico baseado em moeda fiduciária é insustentável e seria necessário um novo modelo. Quanto a isso, o apresentador aponta que é exatamente esse ponto que os “bitcoiners” (defensores do bitcoin) defendem: a “hiperbitcoinização” do mundo.

Aperte o play para saber mais sobre as hipóteses do futuro econômico e como o bitcoin pode ser uma maneira de proteção contra a inflação.

Veja quais foram as recomendações do Mineração da Semana no Crypto Times e mande as suas sugestões para o e-mail ideiaspodcast@empiricus.com.br.

116 episódios