66: A mitologia de Bolsonaro (e O Imbecil Coletivo)

2:08:42
 
Compartilhar
 

Série arquivada ("Feed inativo " status)

When? This feed was archived on June 13, 2022 13:29 (2M ago). Last successful fetch was on July 01, 2022 14:55 (2M ago)

Why? Feed inativo status. Nossos servidores foram incapazes de recuperar um feed de podcast válido por um período razoável.

What now? You might be able to find a more up-to-date version using the search function. This series will no longer be checked for updates. If you believe this to be in error, please check if the publisher's feed link below is valid and contact support to request the feed be restored or if you have any other concerns about this.

Manage episode 218176630 series 1041827
Por Senso Incomum descoberto pelo Player FM e nossa comunidade - Os direitos autorais são de propriedade do editor, não do Player FM, e o áudio é transmitido diretamente de seus servidores. Toque no botão Assinar para acompanhar as atualizações no Player FM, ou copie a feed URL em outros aplicativos de podcast.
Guten Morgen, Brasilien! Foi uma longa e tenebrosa noite de caos e desesperança em sonos intranqüilos e desespero agonizante, mas estamos aqui de volta com o seu podcast preferido! E o tema não poderia ser mais urgente nessa semana: desmistificamos e mitamos sobre a mitologia criada ao redor de Jair Bolsonaro, o "mito" anti-establishment das eleições de 2018. E ninguém melhor do que nosso profeta com olhos de Cassandra e habitué de nosso podcast, Filipe G. Martins, para analisá-lo! Não faremos análise eleitoral como ~cErToS iNsTiTuToS~ que muito mais erram do que acertam (e sempre a favor do PT), mas analisamos o que gera essa mitologia ao redor de Bolsonaro, e afinal, o que mudou com a sua chegada ao páreo eleitoral, já que todos os que apostaram que essa eleição seguiria as regras das eleições anteriores fracassaram miseravelmente. Jair Bolsonaro é visto como um candidato anti-establishment, mesmo já sendo deputado há anos. E por que isso se dá? E afinal, o que é este establishment? Por que tanta coisa mudou radicalmente no país desde junho de 2013, aquele ano não compreendido, e agora as regras da política parecem estar quase viradas em 180º? O que são estes conceitos que importamos de fora, como establishment ou, ainda mais técnico, deep State? É simplesmente impossível entender o fenômeno Bolsonaro apenas pelas velhas esquerda e direita, e precisamos compreender justamente como o povo, mesmo instintivamente, está lidando com o deep State brasileiro desde junho de 2013, passando pelo impeachment e chegando às eleições de 2018. O nome de Bolsonaro também evoca ruptura. Aliás, não apenas ele: FHC, Sarney, Demétrio Magnolli e tantos outros já falaram abertamente em ruptura. Parece que a Constituição Federal de 1988 não dá mais conta dos problemas do país. Isso é bom ou ruim? Além de Bolsonaro, também o próprio PT colocou em seu plano de poder a idéia de invocar uma Constituinte. Como se dará essa possível ruptura com as tais "instituições", nas quais a população deposita tão pouca confiança? Por fim, ainda mais com a companhia sempre salutar de Filipe G. Martins, não poderíamos ter recomendação cultural melhor do que a volta do maior fenômeno cultural e intelectual a sacudir as prateleiras brasileiras e ter sido o primeiro, no plano intelectual, a destruir o establishment sozinho: Olavo de Carvalho e seu livro O Imbecil Coletivo, que você pode comprar através de nossos links abaixo. O livro-dinamite não poderia vir em melhor hora, e mostra há 20 anos a falha estúpida da intelligentsia brasileira para ler corretamente e diagnosticar com precisão os problemas do país. A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto no estúdio Panela Produtora, com produção visual de Gustavo Finger da Agência Pier. Nosso patrocínio é da CVpraVC [https://www.sensoincomum.cvpravc.com.br], que pode fazer um currículo que vai te deixar conquistar a vaga que sempre quis. Guten Morgen, Brasilien!

115 episódios