Artwork

Conteúdo fornecido por Daniel Pires. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Daniel Pires ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

BAURU E SEU ANTIGO CEMITÉRIO DOS LEPROSOS - LendaCast

28:30
 
Compartilhar
 

Manage episode 301499137 series 2842307
Conteúdo fornecido por Daniel Pires. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Daniel Pires ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

Quando fiquei sabendo que existia um cemitério desativado em Bauru, no interior de São Paulo, fui logo conhecê-lo. Ele faz parte do Antigo Asilo Colônia Aimorés, que tratava pessoas com hanseníase, ou seja, a lepra, doença que mudou de nome em 1995. O local, inaugurado em 1933, chegou a receber mais de 2 mil pessoas em tratamento, que ficavam reclusas da sociedade, por conta do contágio. Eram os chamados "hospitais colônia", que recebiam pacientes para internação compulsória, ou seja, à força. Além disso, a lepra era uma doença muito contagiosa e ainda não tinha tratamento adequado. Sem contar que era uma enfermidade muito cruel, pois a infecção, quando não tratada, fazia com que os pacientes perdessem partes do corpo, ainda em vida.

Com o alto índice de mortes dentro da colônia, que eles chamavam de "Leprosário de Bauru", os mortos não podiam ser sepultados em cemitérios comuns, construídos na cidade. Então, construíram esse cemitério afastado de tudo, cuja entrada era permitida somente à funcionários da colônia. Em sua maioria, as sepulturas eram esculpidas em cimento e é quase impossível encontrar uma fotografia ou um túmulo que dê para ler a identificação dos mortos no epitáfio. Não se sabe exatamente, quando os sepultamentos pararam de acontecer neste cemitério, mas tudo indica que foi por volta dos anos 70, pois a maioria das sepulturas não possuem datas de enterro após essa década. Portanto, o cemitério pode estar abandonado há mais de 40 anos. Pensando nisso, resolvi gravar um episódio do LendaCast (o podcast do Lenda), sobre a história deste cemitério, que é bastante triste. Para ouvir, acesse os Stories do Instagram “OLendaTV” ou ouça em sua plataforma de áudio preferida, buscando pelo episódio "Bauru e Seu Antigo Cemitério dos Leprosos".

--- Send in a voice message: https://podcasters.spotify.com/pod/show/lendacast/message
  continue reading

120 episódios

Artwork
iconCompartilhar
 
Manage episode 301499137 series 2842307
Conteúdo fornecido por Daniel Pires. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Daniel Pires ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

Quando fiquei sabendo que existia um cemitério desativado em Bauru, no interior de São Paulo, fui logo conhecê-lo. Ele faz parte do Antigo Asilo Colônia Aimorés, que tratava pessoas com hanseníase, ou seja, a lepra, doença que mudou de nome em 1995. O local, inaugurado em 1933, chegou a receber mais de 2 mil pessoas em tratamento, que ficavam reclusas da sociedade, por conta do contágio. Eram os chamados "hospitais colônia", que recebiam pacientes para internação compulsória, ou seja, à força. Além disso, a lepra era uma doença muito contagiosa e ainda não tinha tratamento adequado. Sem contar que era uma enfermidade muito cruel, pois a infecção, quando não tratada, fazia com que os pacientes perdessem partes do corpo, ainda em vida.

Com o alto índice de mortes dentro da colônia, que eles chamavam de "Leprosário de Bauru", os mortos não podiam ser sepultados em cemitérios comuns, construídos na cidade. Então, construíram esse cemitério afastado de tudo, cuja entrada era permitida somente à funcionários da colônia. Em sua maioria, as sepulturas eram esculpidas em cimento e é quase impossível encontrar uma fotografia ou um túmulo que dê para ler a identificação dos mortos no epitáfio. Não se sabe exatamente, quando os sepultamentos pararam de acontecer neste cemitério, mas tudo indica que foi por volta dos anos 70, pois a maioria das sepulturas não possuem datas de enterro após essa década. Portanto, o cemitério pode estar abandonado há mais de 40 anos. Pensando nisso, resolvi gravar um episódio do LendaCast (o podcast do Lenda), sobre a história deste cemitério, que é bastante triste. Para ouvir, acesse os Stories do Instagram “OLendaTV” ou ouça em sua plataforma de áudio preferida, buscando pelo episódio "Bauru e Seu Antigo Cemitério dos Leprosos".

--- Send in a voice message: https://podcasters.spotify.com/pod/show/lendacast/message
  continue reading

120 episódios

Todos os episódios

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências