Artwork

Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

Quer ser uma drag queen? Pergunte-me como

 
Compartilhar
 

Manage episode 366293262 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Criador da drag Ikaro Kadoshi, Tiago Liberato fala sobre o preconceito que sofreu desde a infância, masculinidade, amor e dor Quem escuta o paulista Tiago Liberato falar com toda a doçura que traz na voz e nas palavras não pode imaginar tudo o que ele passou desde que assumiu a homossexualidade aos 13 anos – com resquícios de crueldade medieval, como define sua infância. Hoje, por meio da drag queen Ikaro Kadoshi, que criou no fim dos anos 1990, o artista apresenta no Prime Video o programa “Caravana das Drags”, ao lado de Xuxa Meneghel, e quer ser a inspiração que lhe faltou. “Estou rompendo um ciclo, devolvendo ao mundo o que ele não me deu. Gostaria de ter passado pelo que eu passei? Não. Mas já que passei, vou fazer o melhor disso”, diz. Tiago também foi a primeira drag queen a assinar um contrato com a Nike para ser embaixador da causa LGBTQIANP+ nos esportes. No papo com o Trip FM, ele também falou sobre dinheiro, masculinidade e preconceito. “O Brasil é um país de ironia. Somos os que mais matam LGBTQIAPN+ no mundo, o país que mais consome pornografia de travestis e transexuais e também o que tem as drag queens mais famosas. Repressão é isso: ame e odeie ao mesmo tempo, na mesma intensidade”, afirma. Você pode ouvir essa conversa no play aqui em cima e também no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2023/06/648c9dd1b4c22/ikaro-kadoshi-drag-queen-jornlista-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Blad Meneghel / Divulgação; LEGEND=íkaro Kadoshi, Drag Queen, apresentador de TV e jornalista; ALT_TEXT=íkaro Kadoshi, Drag Queen, apresentador de TV e jornalista] Trip. Você sofreu muito com a família do seu pai. Quanta importância teve a aceitação da sua mãe? Tiago Liberato. Quando a minha mãe disse que eu não precisava mudar em nada o que sou, ganhei uma força para enfrentar o mundo. Ser LGBTQIAPN+ no Brasil é enfrentar a sociedade todos os dias, de uma maneira que as pessoas desconhecem. O amor de mãe me deu esse porto-seguro. Se vocês soubessem a importância de amar as pessoas como elas são... A gente só consegue chegar à nossa plenitude quando recebe esse tipo de amor. Hoje eu faço um esforço gigantesco para me amar, para não ser o meu pior inimigo. E faço um esforço tremendo para não devolver ao mundo o que ele me dá, que é raiva, ódio e humilhação. A dor é a melhor professora que a gente tem. Estou rompendo um ciclo, estou devolvendo ao mundo o que ele não me deu. Gostaria de ter passado pelo que eu passei? Não. Mas já que passei, vou fazer o melhor disso. Por que você conta que ser drag é se assumir duas vezes? Porque muda toda a estrutura à sua volta. Eu perdi todos os meus amigos e tive que começar do zero. O que me dá orgulho é que a nova geração vive em um mundo diferente. Hoje as drags são casadas, têm namorado, são orgulhosas de si e seguram as rédeas de suas vidas. Antes era uma morte social. Eu ouvi muito: "Se for pra namorar você eu namoro uma mulher". Até hoje ainda não consegui andar de mão dada com alguém na rua – me gera um gatilho de que vou ser morto. Quando me tiram o direito de exercer o afeto, me transformam em um bicho. E as consequências disso são culpa de quem? Falam: "Eles são agressivos, são reativos". Experimenta tirar todo o afeto que você pode ter, tirar os espaços...
  continue reading

911 episódios

Artwork

Quer ser uma drag queen? Pergunte-me como

Trip FM

1,704 subscribers

published

iconCompartilhar
 
Manage episode 366293262 series 1416822
Conteúdo fornecido por Trip FM. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Trip FM ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Criador da drag Ikaro Kadoshi, Tiago Liberato fala sobre o preconceito que sofreu desde a infância, masculinidade, amor e dor Quem escuta o paulista Tiago Liberato falar com toda a doçura que traz na voz e nas palavras não pode imaginar tudo o que ele passou desde que assumiu a homossexualidade aos 13 anos – com resquícios de crueldade medieval, como define sua infância. Hoje, por meio da drag queen Ikaro Kadoshi, que criou no fim dos anos 1990, o artista apresenta no Prime Video o programa “Caravana das Drags”, ao lado de Xuxa Meneghel, e quer ser a inspiração que lhe faltou. “Estou rompendo um ciclo, devolvendo ao mundo o que ele não me deu. Gostaria de ter passado pelo que eu passei? Não. Mas já que passei, vou fazer o melhor disso”, diz. Tiago também foi a primeira drag queen a assinar um contrato com a Nike para ser embaixador da causa LGBTQIANP+ nos esportes. No papo com o Trip FM, ele também falou sobre dinheiro, masculinidade e preconceito. “O Brasil é um país de ironia. Somos os que mais matam LGBTQIAPN+ no mundo, o país que mais consome pornografia de travestis e transexuais e também o que tem as drag queens mais famosas. Repressão é isso: ame e odeie ao mesmo tempo, na mesma intensidade”, afirma. Você pode ouvir essa conversa no play aqui em cima e também no Spotify. [IMAGE=https://revistatrip.uol.com.br/upload/2023/06/648c9dd1b4c22/ikaro-kadoshi-drag-queen-jornlista-tripfm-mh.jpg; CREDITS=Blad Meneghel / Divulgação; LEGEND=íkaro Kadoshi, Drag Queen, apresentador de TV e jornalista; ALT_TEXT=íkaro Kadoshi, Drag Queen, apresentador de TV e jornalista] Trip. Você sofreu muito com a família do seu pai. Quanta importância teve a aceitação da sua mãe? Tiago Liberato. Quando a minha mãe disse que eu não precisava mudar em nada o que sou, ganhei uma força para enfrentar o mundo. Ser LGBTQIAPN+ no Brasil é enfrentar a sociedade todos os dias, de uma maneira que as pessoas desconhecem. O amor de mãe me deu esse porto-seguro. Se vocês soubessem a importância de amar as pessoas como elas são... A gente só consegue chegar à nossa plenitude quando recebe esse tipo de amor. Hoje eu faço um esforço gigantesco para me amar, para não ser o meu pior inimigo. E faço um esforço tremendo para não devolver ao mundo o que ele me dá, que é raiva, ódio e humilhação. A dor é a melhor professora que a gente tem. Estou rompendo um ciclo, estou devolvendo ao mundo o que ele não me deu. Gostaria de ter passado pelo que eu passei? Não. Mas já que passei, vou fazer o melhor disso. Por que você conta que ser drag é se assumir duas vezes? Porque muda toda a estrutura à sua volta. Eu perdi todos os meus amigos e tive que começar do zero. O que me dá orgulho é que a nova geração vive em um mundo diferente. Hoje as drags são casadas, têm namorado, são orgulhosas de si e seguram as rédeas de suas vidas. Antes era uma morte social. Eu ouvi muito: "Se for pra namorar você eu namoro uma mulher". Até hoje ainda não consegui andar de mão dada com alguém na rua – me gera um gatilho de que vou ser morto. Quando me tiram o direito de exercer o afeto, me transformam em um bicho. E as consequências disso são culpa de quem? Falam: "Eles são agressivos, são reativos". Experimenta tirar todo o afeto que você pode ter, tirar os espaços...
  continue reading

911 episódios

Todos os episódios

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências