Artwork

Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

“A fábrica da aeronáutica onde eu trabalhava virou uma prisão”, lembra Salgado

1:39:27
 
Compartilhar
 

Manage episode 410538835 series 2926590
Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

Em primeiro de abril de 1964, João Lopes Salgado viu o fogo tomando conta da sede da UNE no Flamengo. O incêndio criminoso era obra do Comando de Caça aos Comunistas. Atônito, saltou do ônibus. Sentiu uma dor na alma, conta ele, que voltava do trabalho na Fábrica da Aeronáutica do Galeão, onde eram produzidos aviões de treinamento para os cadetes. Sargento da Aeronáutica, Salgado era eletricista de aeronave e se preparava para entrar na faculdade de medicina. “No dia seguinte, o ambiente na fábrica tinha mudado completamente. Alguns dos funcionários da seção que eu coordenava já estavam presos, outros saíram. Nossa unidade virou uma prisão para os operários da própria fábrica, os mais ativos na militância. Dias depois, a nossa unidade virou uma prisão para os sargentos e praças. Fizeram várias celas. Nós, os militares, ficamos aquartelados e ficamos sendo carcereiros de nossos colegas e amigos”, recorda Salgado ao TUTAMÉIA. Nascido em Abre Campo (MG) em 1941, filho de pequenos camponeses, ele lembra da infância cheia de privações para aquela família com dez crianças. “Não se passava fome. Mas sal era um negócio difícil. Macarrão só entrava no dia do Natal”. No Rio de Janeiro, passou a ser um admirador das propostas de João Goulart. “Eu era um nacionalista. O militar daquela época, mesmo os menos conscientes, tinham um ideal do nacionalismo”, afirma. “Naquele momento, eu não tinha nenhuma dúvida --e não tenho até hoje. Não acredito em revolução pacífica. Pode ser uma etapa da revolução. Mas, naquele momento, o que se apresentava era um engajamento revolucionário de resistência armada, e eu entrei com muita convicção nessa jornada”. Antes dessa adesão, ainda nas lutas estudantis, já havia enfrentado o tiroteio da repressão. Foi dia da queda do Congresso da UNE em Ibiúna, 12 de outubro de 1968. “Fizemos uma grande mobilização em apoio ao congresso, contra a prisão dos estudantes. De manhã, passamos três filmes no nosso cineclube. Depois, fechamos a avenida 28 de Setembro, em frente ao hospital universitário Pedro Ernesto. Era a avenida mais movimentada da vila Isabel”. “Apareceram três ou quatro camburões do DOPS soltando bomba. Os estudantes foram para cima dos policiais, que estavam armados. Chegaram outros camburões. Chegaram atirando e feriram uns sete ou oito estudantes. Um levou um tiro na cabeça: Luiz Paulo Cruz Nunes, do segundo ano de medicina, morreu”. A situação mudou totalmente. A região foi cercada. Vieram o reitor e o comandante da Polícia Militar para encontrar com Salgado. “Fui muito emocionado, chorando, eu me sentia meio culpado. Adentra o comandante da Polícia Militar e o reitor João Lira Filho, irmão do Lira Tavares. O comandante estende a mão e diz que está em missão de paz. Num impulso, respondi: ‘Eu não aperto mão de opressor do povo’. O coronel ficou branco, amarelo, não sabia o que fazer. Os estudantes em volta aplaudiram. Ele baixou a mão, mas a vontade dele era me dar uns pescoções”. Sobre o convívio com Lamarca, fala Salgado: “Era uma pessoa muito comprometida, aquela pessoa que faz o que fala. Um homem muito sensível. A ditadura fez tudo para poder macular a imagem de uma pessoa íntegra, sensível, de bom coração. Que faz as coisas porque acredita nas coisas que faz. E faz sempre do lado bom. Capaz de reconhecer os erros. Uma pessoa doce, sensível e íntegra”. O depoimento integra uma série de entrevistas sobre o golpe militar de 1964, que completa sessenta anos. Inscreva-se no TUTAMÉIA TV e visite o site TUTAMÉIA, https://tutameia.jor.br, criado por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena. Acesse este link para entrar no grupo AMIG@S DO TUTAMÉIA: https://chat.whatsapp.com/Dn10GmZP6fV...

  continue reading

836 episódios

Artwork
iconCompartilhar
 
Manage episode 410538835 series 2926590
Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

Em primeiro de abril de 1964, João Lopes Salgado viu o fogo tomando conta da sede da UNE no Flamengo. O incêndio criminoso era obra do Comando de Caça aos Comunistas. Atônito, saltou do ônibus. Sentiu uma dor na alma, conta ele, que voltava do trabalho na Fábrica da Aeronáutica do Galeão, onde eram produzidos aviões de treinamento para os cadetes. Sargento da Aeronáutica, Salgado era eletricista de aeronave e se preparava para entrar na faculdade de medicina. “No dia seguinte, o ambiente na fábrica tinha mudado completamente. Alguns dos funcionários da seção que eu coordenava já estavam presos, outros saíram. Nossa unidade virou uma prisão para os operários da própria fábrica, os mais ativos na militância. Dias depois, a nossa unidade virou uma prisão para os sargentos e praças. Fizeram várias celas. Nós, os militares, ficamos aquartelados e ficamos sendo carcereiros de nossos colegas e amigos”, recorda Salgado ao TUTAMÉIA. Nascido em Abre Campo (MG) em 1941, filho de pequenos camponeses, ele lembra da infância cheia de privações para aquela família com dez crianças. “Não se passava fome. Mas sal era um negócio difícil. Macarrão só entrava no dia do Natal”. No Rio de Janeiro, passou a ser um admirador das propostas de João Goulart. “Eu era um nacionalista. O militar daquela época, mesmo os menos conscientes, tinham um ideal do nacionalismo”, afirma. “Naquele momento, eu não tinha nenhuma dúvida --e não tenho até hoje. Não acredito em revolução pacífica. Pode ser uma etapa da revolução. Mas, naquele momento, o que se apresentava era um engajamento revolucionário de resistência armada, e eu entrei com muita convicção nessa jornada”. Antes dessa adesão, ainda nas lutas estudantis, já havia enfrentado o tiroteio da repressão. Foi dia da queda do Congresso da UNE em Ibiúna, 12 de outubro de 1968. “Fizemos uma grande mobilização em apoio ao congresso, contra a prisão dos estudantes. De manhã, passamos três filmes no nosso cineclube. Depois, fechamos a avenida 28 de Setembro, em frente ao hospital universitário Pedro Ernesto. Era a avenida mais movimentada da vila Isabel”. “Apareceram três ou quatro camburões do DOPS soltando bomba. Os estudantes foram para cima dos policiais, que estavam armados. Chegaram outros camburões. Chegaram atirando e feriram uns sete ou oito estudantes. Um levou um tiro na cabeça: Luiz Paulo Cruz Nunes, do segundo ano de medicina, morreu”. A situação mudou totalmente. A região foi cercada. Vieram o reitor e o comandante da Polícia Militar para encontrar com Salgado. “Fui muito emocionado, chorando, eu me sentia meio culpado. Adentra o comandante da Polícia Militar e o reitor João Lira Filho, irmão do Lira Tavares. O comandante estende a mão e diz que está em missão de paz. Num impulso, respondi: ‘Eu não aperto mão de opressor do povo’. O coronel ficou branco, amarelo, não sabia o que fazer. Os estudantes em volta aplaudiram. Ele baixou a mão, mas a vontade dele era me dar uns pescoções”. Sobre o convívio com Lamarca, fala Salgado: “Era uma pessoa muito comprometida, aquela pessoa que faz o que fala. Um homem muito sensível. A ditadura fez tudo para poder macular a imagem de uma pessoa íntegra, sensível, de bom coração. Que faz as coisas porque acredita nas coisas que faz. E faz sempre do lado bom. Capaz de reconhecer os erros. Uma pessoa doce, sensível e íntegra”. O depoimento integra uma série de entrevistas sobre o golpe militar de 1964, que completa sessenta anos. Inscreva-se no TUTAMÉIA TV e visite o site TUTAMÉIA, https://tutameia.jor.br, criado por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena. Acesse este link para entrar no grupo AMIG@S DO TUTAMÉIA: https://chat.whatsapp.com/Dn10GmZP6fV...

  continue reading

836 episódios

Todos os episódios

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências