Artwork

Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.
Player FM - Aplicativo de podcast
Fique off-line com o app Player FM !

“Erasmo Dias veio com tudo, torturando, simulando fuzilamento”, conta Nóbrega

2:10:11
 
Compartilhar
 

Manage episode 410350608 series 2926590
Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

“Fui entregue para o Erasmo Dias. E ele veio com tudo, torturando, fez um simulacro de fuzilamento. Era pau de arara, choque elétrico, afogamento, sem parar. Fui selvagemente torturado pelo pessoal do DOI-Codi. Terrível. Fiquei traumatizado, acordava a noite gritando, até hoje. Eu estava pronto para ser fuzilado, mas ninguém está pronto para ser torturado”. Palavras de José Araújo Nóbrega ao TUTAMÉIA ao lembrar o que se seguiu à sua captura no Vale do Ribeira, em São Paulo, em 1970, onde se encontrava com Carlos Lamarca e companheiros da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) para treinamento de guerrilha. Perseguidos por quase 3.000 soldados, o grupo se separou: alguns escaparam, outros (como Nóbrega) foram presos. Disfarçados de militares, Lamarca e três companheiros furaram o cerco (da então maior operação do Segundo Exército) e se dispersaram na marginal Tietê Sargento do Exército, Nóbrega tinha 25 anos quando ocorreu o golpe militar de 1964. Nesta entrevista, ele relata o ambiente nas Forças Armadas naquela época, trata da sua adesão à luta armada, do período que passou no Vale do Ribeira e dos tempos de exílio. E de como conseguiu sobreviver a um fuzilamento coletivo executado por militares chilenos logo após o golpe de Pinochet, em setembro de 1973. Nóbrega lembra que estava no quartel de intendência na Lapa, em São Paulo, quando ocorreu o golpe de 64. “Eu era comandante do corpo da guarda no meu quartel. A gente estava esperando. Corriam boatos dentro do quartel de que iria haver um golpe. Lá havia um tenente-coronel gaúcho e janguista que ficou muito apreensivo. Para nós, foi um dia de luto aquele primeiro de abril”, diz ele, nesta entrevista gravada em 28 de fevereiro de 2024. E segue: “Desde 61 [quando da tentativa frustrada de golpe para impedir a posse de Jango], eles começaram a trocar oficiais. Tinham mexido os pauzinhos para o golpe. Em 61, a gente tinha uma ideia do que fazer, tinha a rádio da legalidade. Em 64, não havia mais nada daquilo. A gente esperava que houvesse alguma reação, mas não houve”, afirma. Naquela época, Nóbrega conta que já estava começando a organizar o MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário). Tinha uma vida semiclandestina, pois permanecia no Exército enquanto atuava no movimento de resistência. “Era terrível conviver com aquele pessoal direitista [nas forças de repressão]. Em 68, um coronel me chamou para trabalhar na Polícia Federal em São Paulo. Fiquei seis meses. Não aguentei ver aquilo, pessoal de ultradireita, o CCC lá dentro. Terrível! Eu não aguentava mais. Em 67, fui para a VPR. A gente não tinha muita maturidade política; fomos adquirindo no decorrer da luta. Tinha que fazer alguma coisa. Foi uma sequência lógica da luta”, afirma. O depoimento integra uma série de entrevistas sobre o golpe militar de 1964, que está completando sessenta anos. Com o mote “O que eu vi no dia do golpe”, TUTAMÉIA publica neste mês de março mais de duas dezenas de vídeos com personagens que vivenciaram aquele momento, como Almino Affonso, João Vicente Goulart, Anita Prestes, Frei Betto, Roberto Requião, Djalma Bom, Luiz Felipe de Alencastro, Ladislau Dowbor, José Genoíno, Roberto Amaral, Guilherme Estrella, Sérgio Ferro e Rose Nogueira. Inscreva-se no TUTAMÉIA TV e visite o site TUTAMÉIA, https://tutameia.jor.br, serviço jornalístico criado por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena. Acesse este link para entrar no grupo AMIG@S DO TUTAMÉIA, exclusivo para divulgação e distribuição de nossa produção jornalística: https://chat.whatsapp.com/Dn10GmZP6fV...

  continue reading

826 episódios

Artwork
iconCompartilhar
 
Manage episode 410350608 series 2926590
Conteúdo fornecido por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena. Todo o conteúdo do podcast, incluindo episódios, gráficos e descrições de podcast, é carregado e fornecido diretamente por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Eleonora de Lucena, and Rodolfo Lucena ou por seu parceiro de plataforma de podcast. Se você acredita que alguém está usando seu trabalho protegido por direitos autorais sem sua permissão, siga o processo descrito aqui https://pt.player.fm/legal.

“Fui entregue para o Erasmo Dias. E ele veio com tudo, torturando, fez um simulacro de fuzilamento. Era pau de arara, choque elétrico, afogamento, sem parar. Fui selvagemente torturado pelo pessoal do DOI-Codi. Terrível. Fiquei traumatizado, acordava a noite gritando, até hoje. Eu estava pronto para ser fuzilado, mas ninguém está pronto para ser torturado”. Palavras de José Araújo Nóbrega ao TUTAMÉIA ao lembrar o que se seguiu à sua captura no Vale do Ribeira, em São Paulo, em 1970, onde se encontrava com Carlos Lamarca e companheiros da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) para treinamento de guerrilha. Perseguidos por quase 3.000 soldados, o grupo se separou: alguns escaparam, outros (como Nóbrega) foram presos. Disfarçados de militares, Lamarca e três companheiros furaram o cerco (da então maior operação do Segundo Exército) e se dispersaram na marginal Tietê Sargento do Exército, Nóbrega tinha 25 anos quando ocorreu o golpe militar de 1964. Nesta entrevista, ele relata o ambiente nas Forças Armadas naquela época, trata da sua adesão à luta armada, do período que passou no Vale do Ribeira e dos tempos de exílio. E de como conseguiu sobreviver a um fuzilamento coletivo executado por militares chilenos logo após o golpe de Pinochet, em setembro de 1973. Nóbrega lembra que estava no quartel de intendência na Lapa, em São Paulo, quando ocorreu o golpe de 64. “Eu era comandante do corpo da guarda no meu quartel. A gente estava esperando. Corriam boatos dentro do quartel de que iria haver um golpe. Lá havia um tenente-coronel gaúcho e janguista que ficou muito apreensivo. Para nós, foi um dia de luto aquele primeiro de abril”, diz ele, nesta entrevista gravada em 28 de fevereiro de 2024. E segue: “Desde 61 [quando da tentativa frustrada de golpe para impedir a posse de Jango], eles começaram a trocar oficiais. Tinham mexido os pauzinhos para o golpe. Em 61, a gente tinha uma ideia do que fazer, tinha a rádio da legalidade. Em 64, não havia mais nada daquilo. A gente esperava que houvesse alguma reação, mas não houve”, afirma. Naquela época, Nóbrega conta que já estava começando a organizar o MNR (Movimento Nacionalista Revolucionário). Tinha uma vida semiclandestina, pois permanecia no Exército enquanto atuava no movimento de resistência. “Era terrível conviver com aquele pessoal direitista [nas forças de repressão]. Em 68, um coronel me chamou para trabalhar na Polícia Federal em São Paulo. Fiquei seis meses. Não aguentei ver aquilo, pessoal de ultradireita, o CCC lá dentro. Terrível! Eu não aguentava mais. Em 67, fui para a VPR. A gente não tinha muita maturidade política; fomos adquirindo no decorrer da luta. Tinha que fazer alguma coisa. Foi uma sequência lógica da luta”, afirma. O depoimento integra uma série de entrevistas sobre o golpe militar de 1964, que está completando sessenta anos. Com o mote “O que eu vi no dia do golpe”, TUTAMÉIA publica neste mês de março mais de duas dezenas de vídeos com personagens que vivenciaram aquele momento, como Almino Affonso, João Vicente Goulart, Anita Prestes, Frei Betto, Roberto Requião, Djalma Bom, Luiz Felipe de Alencastro, Ladislau Dowbor, José Genoíno, Roberto Amaral, Guilherme Estrella, Sérgio Ferro e Rose Nogueira. Inscreva-se no TUTAMÉIA TV e visite o site TUTAMÉIA, https://tutameia.jor.br, serviço jornalístico criado por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena. Acesse este link para entrar no grupo AMIG@S DO TUTAMÉIA, exclusivo para divulgação e distribuição de nossa produção jornalística: https://chat.whatsapp.com/Dn10GmZP6fV...

  continue reading

826 episódios

Kaikki jaksot

×
 
Loading …

Bem vindo ao Player FM!

O Player FM procura na web por podcasts de alta qualidade para você curtir agora mesmo. É o melhor app de podcast e funciona no Android, iPhone e web. Inscreva-se para sincronizar as assinaturas entre os dispositivos.

 

Guia rápido de referências